Publicitário enfrenta o segundo câncer e pede ajuda: ‘Medo de não conseguir’

Ivo antes e depois do câncer
Ivo não está podendo trabalhar por causa da doença e pede ajuda por vaquinha (Arquivo Pessoal/Ivo Oliveira)

Dores 24 horas por dia, medo de não conseguir se recuperar e preocupação com a família. Esta é a descrição que o publicitário Ivo Oliveira Lopes, de 35 anos, faz da atual batalha que enfrenta contra o câncer. É a segunda vez na vida de Ivo que ele precisa de coragem e força para lidar com a doença. Agora, sem poder trabalhar, o pai de um garotinho de 3 anos precisa de ajuda e conta com a solidariedade das pessoas (ajude aqui).

Ivo contou ao BHAZ como tem sido complicado o tratamento contra o tumor na coluna, que foi descoberto em agosto. Em 2004, o publicitário teve um tumor no dedo médio da mão direita, e conseguiu tratar por meio de quimioterapia. Desta vez, segundo os médicos, a situação é mais grave. Ivo passou por uma cirurgia, está fazendo radioterapia e depois fará quimioterapia por tempo indeterminado.

“Foi feita uma cirurgia que durou mais de 9 horas. Fez a raspagem, tentando limpar o máximo de tumor que dá, mantendo o osso. O melhor seria a remoção completa do osso. Só que fazendo essa retirada eu iria perder o controle de urina, fezes e ainda corria o risco de ficar paraplégico”, relata.

‘Pilar da família’

Antes de começar a sofrer com a dor constante por causa da doença, Ivo trabalhava como autônomo. Formado em publicidade, ele fazia serviços de design gráfico e mídias digitais para comércios locais. Além disso, trabalhava junto com a esposa com fotografia de famílias. Para complementar a renda, Ivo ainda rodava como motorista de aplicativos.

Ivo e a famíla
Ivo recebeu alta no dia do aniversário de 3 anos do filho, Henrique
(Arquivo Pessoal/Ivo Oliveira)

Como se não bastassem as três ocupações, Ivo ainda produzia vídeos para o YouTube, junto do amigo Gilvan Araújo, no canal Fragmentos Teóricos. “Eu estou parado agora. Perdi tudo. Sou autônomo, moro de aluguel e ainda têm as despesas do tratamento. Se não é a ajuda das pessoas, eu não sei nem o que seria da minha família”, desabafa.

O medo e a esperança

Segundo os médicos, o caso do publicitário é muito grave. Ivo conta que vive medicado para lidar com a dor, ainda assim tem crises de choro diárias por causa do desconforto. Em alguns momentos, quando a situação piora, ele chega a pensar que vai literalmente “morrer de dor”. “Tem vez que é suportável, mas tem vez que é só chorar e pedir a Deus para ter misericórdia”, lamenta.

Ivo no primeiro dia de internação
Ivo no primeiro dia de internação (Arquivo Pessoal/Ivo Oliveira)

Ao descrever a sensação de enfrentar a doença, Ivo compartilha alguns de seus temores. “Eu tenho o sonho de ver meu filho crescer, mas tenho medo de não conseguir. Tenho medo de ficar sequelado, ficar usando uma fralda para o resto da vida. Medo de viver com uma esposa de 25 anos, em uma situação de impotência, de ficar recebendo quase tudo na mão”, desabafa.

Ainda assim, o publicitário não perde a esperança de que as coisas vão melhorar. “Eu estou tocando, vivendo dia a dia. Cada pessoa está me ajudando um pouquinho e as coisas vão melhorar”, torce.

Ajude o Ivo e sua família

Por conta de todos os gastos que Ivo está tendo e de sua impossibilidade de trabalhar, os amigos criaram uma vaquinha para ajudar o publicitário. Quem quiser, pode contribuir com qualquer valor aqui.

Ou fazer uma doação diretamente nas contas bancárias:
Banco: Caixa
Agência: 3665
Operação: 001
Conta Corrente: 20864-0

Banco: Itaú
Agência: 5325
Conta Poupança: 06949-9/500

Edição: Roberth Costa
Guilherme Gurgel
Guilherme Gurgelguilherme.gurgel@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco nas editorias de Cidades e Variedades no BHAZ.

Comentários