Jovem desaparece do João XXIII e família denuncia descaso

Lucas e a fachada do hospital João XXIII
Lucas estava internado desde sexta-feira na unidade de saúde (Arquivo pessoal/Welington Paulino + Amanda Dias/BHAZ)

A família de Lucas Paulino de Oliveira denuncia o desaparecimento do jovem, de 26 anos, que estava internado no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte. O caso foi registrado na segunda-feira (26) e, desde então, familiares não têm notícias do paradeiro do jovem. Os parentes consideram ainda que a administração da instituição de saúde demonstrou descaso com relação ao sumiço do paciente. A Fhemig (Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais), por outro lado, alega que está apurando os fatos.

“Lucas deu entrada no João XXIII na noite de sexta-feira (23), após sofrer uma queda num bar e bater a cabeça. No momento do acidente, ele estava embriagado. Ele ficou em observação devido aos ferimentos e recebeu a medicação” conta, ao BHAZ, Welington Paulino Oliveira, irmão do paciente.

Segundo Welington, antes do irmão desaparecer, uma psicóloga do hospital teve uma conversa com Lucas dizendo que ele precisaria ficar “mais alguns dias internado em observação”, já que havia lesionado a cabeça. As informações foram passadas à família pela administração da unidade de saúde. O desaparecimento do jovem aconteceu durante a tarde de segunda, e os parentes foram informados no começo da noite.

“Recebi uma ligação, por volta das 18h20, e fui informado de que meu irmão havia fugido do João XXIII. O pessoal do hospital me contou que Lucas pediu liberação de um guarda para comprar um lanche. Deixaram ele sair e [ele] não voltou mais”, conta Welington. Lucas trabalha com pinturas e mora com irmãos e sobrinhos no bairro Nova Granada, na região Oeste de Belo Horizonte.

Descaso

Assustados com a notícia do desaparecimento de Lucas, irmãos, primos e demais familiares começaram a fazer contato com a administração do hospital com o objetivo de entender o que havia acontecido. Eles denunciam descaso da unidade de saúde ao tratar a situação.

“Conversamos com a assistente social e ela não soube responder o que aconteceu. Minha prima ligou para ela e, depois de fazer os questionamentos, ouviu como resposta: ‘Aqui é hospital e não cadeia'”, relata Welington. O irmão de Lucas diz ainda que o jovem tem o costume de consumir bebidas alcóolicas, mas ressalta que ele nunca precisou ser internado por causa disso.

‘Desespero’

Há três dias, familiares e amigos estão à procura de Lucas. Diante de tudo isso, a sensação que fica, conforme descreve Welington, é de “desespero”. “Estamos desesperados, pois nunca passamos por isso na família. Não sabemos onde ele está. Já fomos em vários lugares e não o encontramos, ligamos para amigos, familiares distantes e nada de notícias. Ninguém sabe informar”. Conforme o relato do irmão, o rapaz não tem motivos para fugir da família ou dos amigos.

Um boletim de ocorrência foi registrado hoje pela família. Já que eles informaram que foram orientados pelo hospital a esperar 48 horas. Lucas está sem documento e sem celular. Segundo o irmão, no momento em que o jovem desapareceu, ele vestia uma camisa do Cruzeiro, bermuda cinza, calçava chinelo e estava com uma faixa na cabeça.

Quem tiver alguma informação do paradeiro de Lucas deve ligar para a Polícia Civil: 0800 2828 197.

O que diz a Fhemig

Procurada pelo BHAZ, a Fhemig confirmou que o jovem desapareceu do Hospital João XXIII, por volta das 14h. Antes disso, conforme a família, ele teve um acompanhamento psicológico. A fundação informou que a PM foi acionada “tendo o hospital o registro da chamada, assim como os familiares do paciente”.

“Estão sendo apurados internamente os fatos da evasão e a família será mantida informada”. A nota na íntegra pode ser lida abaixo.

Nota da Fhemig na íntegra

“Pelo que apuramos, o paciente teve um acompanhamento psicológico às 12 horas e a evasão aconteceu por volta das 14 horas, do dia 26, quando a equipe comunicou imediatamente o Serviço Social, a Coordenação Médica e a Coordenação de Enfermagem, seguindo os protocolos de procedimentos previstos para esses casos. A Polícia Militar foi acionada também, tendo o hospital o registro da chamada, assim como os familiares do paciente.

Estão sendo apurados internamente os fatos da evasão e a família será mantida informada”.

Edição: Aline Diniz
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários