Anotou a placa? Galo amassa o Flamengo no Mineirão e é vice-líder

Matías Zaracho gol atletico galo flamengo mineirao
Zaracho fechou a goleada do Galo sobre o Flamengo (Gledston Tavares/FramePhoto/Folhapress)

Cho-co-la-te! O Galo resolveu encerrar a série negativa neste domingo (8), mas não de qualquer forma. A equipe alvinegra simplesmente atropelou – sem dó nem piedade – o melhor elenco do Brasil e um dos principais rivais, o Flamengo. Em uma noite pra lá de inspirada, o Atlético goleou os cariocas por 4 a 0 no Mineirão e, de quebra, assumiu a vice-liderança do Brasileirão com apenas um ponto a menos do que o líder Inter – e um jogo por fazer.

Se não bastasse a vitória de gala, o treinador Jorge Sampaoli ainda terá praticamente uma semana até o próximo confronto. O Galo encara o Corinthians apenas no próximo sábado (14), lá em São Paulo, na Neo Química Arena. O Flamengo, que já tinha sido goleado na rodada passada pelo São Paulo, pega o Atlético-GO também no sábado, mas, antes, enfrenta o tricolor paulista pela Copa do Brasil, na quarta (11).

Apoio irresponsável

No pré-jogo, para apoiar – e pressionar – o time, que vinha de 4 jogos sem vitória, a principal torcida organizada do Atlético, a Galoucura, reuniu centenas de membros e organizou a chamada “rua de fogo” em frente ao estádio. Essa prática vem sendo feita nos últimos jogos do Galo em casa, mas, mesmo com boa intenção, é considerada um erro pelos infectologistas. “Isso que aconteceu é extremamente perigoso e não é recomendável em hipótese alguma”, afirmou ao BHAZ o médico infectologista Carlos Starling. 

Massacre atleticano

Como era de se esperar, o clássico nacional começou movimentado e, com menos de 5 minutos, o placar já havia se mexido. Aos 2 do 1T, o Urubu quase começou vencendo, com um chute de fora da área de Everton Ribeiro, que passou muito perto da trave. O Galo respondeu logo depois, num contra-ataque mortal: Savarino encontrou Sasha na área, o atacante resvalou na bola, e ela foi rente à trave, impossível para Hugo Souza.

Mas o alvinegro não estava para brincadeira, e continuou atacando com tudo: aos 8 do 1T, Savarino fez uma grande jogada novamente, e mandou para Keno na diagonal da área, que fez o segundo do Galo. Foi o 9º gol do artilheiro no Brasileirão.

Fla tenta descontar

Depois dos gols, o Galo diminuiu o ritmo e administrou mais o jogo. Mesmo assim, o Atlético incomodava: aos 30, quase veio o terceiro, com um chute de Franco dentro da área, que obrigou Hugo Souza a espalmar. Já o rubro-negro tentou não se abalar com a desvantagem no placar, e procurava o ataque. Aos 35 do 1T, a insistência quase deu certo, depois de uma jogada ensaiada no escanteio. Filipe Luís cobrou, a bola chegou em Arão, que chutou de primeira, mas Everson defendeu. O Fla chegou de novo 1 minuto depois: Everton Ribeiro cruzou para Nathan tentar de cabeça, e o arqueiro alvinegro “tirou com os olhos” – a bola foi pouco acima do travessão.

Tão longe, tão perto

A melhora do time atleticano foi nítida em comparação aos jogos anteriores: o time começou eletrizante, do jeito que Sampaoli pede. Como o técnico havia sido expulso no último jogo, contra o Palmeiras, teve de assistir ao jogo da arquibancada, com aquela agitação habitual. E mesmo com a vantagem no placar, ele ainda parecia insatisfeito, e não saía do celular – possivelmente, conversando com seu auxiliar, que estava à beira do gramado.

2T começa na ‘trocação’

Logo no primeiro minuto do 2T, o Flamengo perdeu um gol inacreditável. No cruzamento, Pedro cabeceou, Everson foi buscar e, no rebote, Bruno Henrique chutou forte, direto no travessão. Na resposta atleticana, o zagueiro flamenguista Gustavo Henrique tirou mal, Keno mandou uma bomba, mas a bola subiu.

Mais, mais!!!

O Galo, por sua vez, queria mais e, aos 13 do 2T, Arana dominou, cruzou para Sasha, que cabeceou para o gol, entre as pernas de Hugo. Foi o segundo do atacante no jogo, que definitivamente, desencantou, depois de 5 jogos sem balançar as redes.

Maaaaais???

E, por pouco, não chegou o terceiro do Sasha na partida: aos 15, o atacante veio em velocidade, chutou de cobertura na saída do goleiro, mas a bola foi para fora. Mesmo perdendo por 3 a 0, o Flamengo continuava tentando diminuir a diferença: aos 19, Isla fez o cruzamento na direita, Pedro cabeceou à queima-roupa, e Everson fez uma grande defesa.

Anotou a placa?

Quando o Galo empolga… não tem quem pare! Aos 37 do 2T, Savarino fez sua terceira assistência no jogo, dando um lindo passe para Zaracho (que havia acabado de entrar), que mandou rasteiro para as redes – foi o primeiro gol do argentino com a camisa do time mineiro.

A vitória do Galo foi importantíssima para o time “afastar a zica” e se manter firme na disputa pelo título: o clube, que é o melhor mandante do campeonato e não perde em casa há 15 jogos na temporada, agora tem 35 pontos, apenas um a menos que o líder Internacional – mas, também, um jogo a menos.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO 4 X 0 FLAMENGO

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: Domingo, 08/11/2020
Horário: 18h15 (Brasília)
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade (DF) e Jose Reinaldo Nascimento Junior (DF)
VAR: Jose Claudio Rocha Filho (SP)
Cartões amarelos: Alan Franco, Marrony, Junior Alonso, Borrero e Guilherme Arana (Atlético); Thiago Maia, Isla e Éverton Ribeiro (Flamengo)

GOLS
ATLÉTICO: Eduardo Sasha, aos 3min do primeiro tempo e 13min do segundo tempo; Keno, aos 7min do primeiro tempo; Zaracho, aos 37min do segundo tempo

ATLÉTICO: Everson; Guga (Zaracho), Réver (Gabriel), Igor Rabello, Junior Alonso e Guilherme Arana; Allan (Borrero), Alan Franco, Savarino e Keno (Marrony); Eduardo Sasha (Bueno)
Técnico: Jorge Sampaoli

FLAMENGO: Hugo Souza, Isla, Gustavo Henrique, Natan e Filipe Luís (Renê); Willian Arão, Thiago Maia (Michael) e Gerson; Everton Ribeiro (Lincoln), Pedro (Gabigol) e Bruno Henrique
Técnico: Domènec Torrent

Edição: Thiago Ricci
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatrizkof@gmail.com

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre os jogos dos times mineiros como repórter freelancer para o BHAZ.

Comentários