Cruzeiro fica só no empate dentro de casa e volta pra corrida contra o Z4

arthur caíke cruzeiro figueirense mineirão série b
Cruzeiro não conseguiu bater o Figueirense, que ocupa o Z4 (Bruno Haddad/Cruzeiro)

A paz ainda é um estado distante da realidade da torcedora e do torcedor cruzeirenses. Quando parece que o time vai decolar… O Cruzeiro não conseguiu bater o Figueirense, na noite desta sexta (20), e desperdiçou a chance de deixar o Z4 bem pra trás – justamente contra um time que ocupa a temida zona, dentro do Mineirão. De nada adiantaram os 11 dias de treino que Felipão teve desde o último compromisso celeste.

Desta vez, o rodado treinador terá uma experiência bem diferente: já tem novo duelo na próxima terça (24), quando encara o líder – disparado – da Série B, Chapecoense, na Arena Condá, na cidade catarinense de Chapecó. E a preocupação volta a rondar o cruzeirense: o time pode ficar a apenas dois pontos do Z4 caso o Náutico vença seu compromisso amanhã, contra o CRB.

Basta! E luto

Em lembrança ao Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, o Cruzeiro fez uma campanha em parceria com o Observatório da Discriminação Racial no Futebol. Todo o time entrou em campo com termos racistas riscados na camisa, como “coisa de preto”, “da cor do pecado”, “criado mudo” e “denegrir”. A ação foi feita no intuito de propor uma reflexão para mudar a realidade do racismo estrutural enraizado no Brasil, onde ele também se manifesta na linguagem do cotidiano.

Além disso, o clube solicitou ao trio de arbitragem que o 1 minuto de silêncio no pré-jogo também se destinasse a João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos que morreu espancado em um Carrefour de Porto Alegre. O assassinato foi a gota d’água para diversos protestos pelo país, inclusive em Belo Horizonte.

Começou até bem, masss…

Logo no comecinho da partida, o Cruzeiro quase abriu o placar. Aos 2 do 1T, Cáceres chutou forte de dentro da área, e o goleiro Sidão se jogou na bola para evitar o gol. A pressão celeste continuava e, aos 10, depois de ótima arrancada de Jadsom Silva, ele cruzou a bola para a área – Moreno quase chegou nela. Mesmo assim, quem abriu o placar foi o Figueirense. No lance seguinte a um escanteio mal cobrado por Sóbis,  Léo Arthur recebeu lançamento e tocou com categoria, por cima de Fábio. 

Galvão… Diga, Tino

Sim, o Cruzeiro sentiu o gol. Após o revés, o time parou de apresentar a intensidade do início do jogo, enquanto o Figueirense adiantava a marcação, dificultando a vida do ataque estrelado. Aos 25, o time catarinense quase ampliou com chute rasteiro de Patrick depois de tabela com Lucas Barcelos. Mas a bola foi pela linha de fundo. 

Airton, o talismã!

Mesmo com a dificuldade para chegar ao ataque, o time celeste conseguiu encontrar um espaço infalível para empatar o jogo. Aos 35 do 1T, Airton saiu da esquerda, levou para dentro e chutou bonito da entrada da área! É o 4º gol do atacante no campeonato: o artilheiro do clube na Série B.

Bicicleta? Com o Fábio, não!

Depois do empate o jogo voltou a ficar corrido, e o Figueira teria marcado o segundo se não fosse o goleiro Fábio. Aos 40, Diego Gonçalves recebeu cruzamento na área e chutou de bicicleta, mas o arqueiro espalmou e impediu o golaço. 

2T truncado

O Cruzeiro começou o 2T com pressa na busca pelo gol: aos 7, Régis chutou forte da entrada da área e Sidão salvou. No rebote, Moreno tentou cruzar para a área, e o arqueiro agarrou de novo. O time da casa não deixava o visitante atacar, mas, em contrapartida, ainda pecava nas finalizações. 

Assim, o Figueira apostava nos contra-ataques e, aos 29, um deles quase foi mortal: Léo Arthur bateu uma bola quicada de dentro da área, e Fábio mandou para escanteio. Aos 45, já dentro dos 6 minutos de acréscimo, o time assustou de novo com um chutaço do mesmo Léo Arthur, que tirou tinta do travessão. O Cruzeiro respondeu aos 47 com investida de Jadsom Silva, mas Sidão agarrou.  

Se não fosse o impedimento…

O torcedor e a torcedora cruzeirenses se empolgaram aos 48, quando o árbitro chegou a marcar um pênalti a favor do clube celeste. Mas a alegria durou pouco… A arbitragem voltou atrás ao perceber que Arthur Caíke estava impedido antes de entrar na área e ser derrubado.

O Cruzeiro até tentou, mas não jogou um bom futebol para conseguir virar o jogo, e agora tem 25 pontos, 5 a mais do que o primeiro colocado do Z-4, o Náutico. A sequência de 6 jogos sem perder sob o comando de Felipão continua, mas, desta vez, o empate teve um caráter mais amargo.

FICHA TÉCNICA:
CRUZEIRO 1 X 1 FIGUEIRENSE

Local: Mineirão, Belo Horizonte-MG
Data: 20 de novembro de 2020, sábado
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)
Assistentes: Jucimar dos Santos Dias (BA) e José Carlos Oliveira dos Santos (BA)
Cartões amarelos: Jadson e Jadsom Silva (Cruzeiro); Matheus Neris e Thiaguinho (Figueirense)
Gols: Airton, aos 35 minutos do 1ºT (Cruzeiro); Léo Arthur, aos 11 minutos do 1ºT (Figueirense)

CRUZEIRO: Fábio; Raúl Cáceres, Cacá, Manoel e Patrick Brey (Matheus Pereira); Ramon (Jadson), Jadsom Silva e Régis (Welinton); Rafael Sóbis (Arthur Caíke), Airton e Marcelo Moreno (Thiago).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

FIGUEIRENSE: Sidão; Thiaguinho; Guilherme Teixeira, Vitor Mendes e Renan Luís; Matheus Neris (Elyeser), Patrick (Jhonatan), Léo Arthur e Bruno Michel (Everton Santos); Diego Gonçalves (Gabriel Barbosa) e Lucas Barcelos (Marquinho).
Técnico: 
Jorginho

Edição: Thiago Ricci
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatrizkof@gmail.com

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre os jogos dos times mineiros como repórter freelancer para o BHAZ.

Comentários