Modelo mineira é brutalmente assassinada pelo ex em Santa Catarina

daiana dos santos
Daiana foi morta quando chegava ao trabalho (Reprodução/Instagram/@day_iamday)

Uma mineira de 27 anos foi assassinada pelo ex-companheiro quando chegava para trabalhar em um salão em Blumenau, Santa Catarina, nessa quinta-feira (26). Daiana dos Santos da Silva era modelo e foi morta a facadas pelo homem que não aceitava o fim do relacionamento. A vítima é natural de Sete Lagoas, na região Central de Minas, e morava com uma tia na cidade catarinense. A familiar está providenciando a documentação para liberação do corpo.

O crime aconteceu por volta das 9h30, conforme conta ao BHAZ Maristela Krause, colega de trabalho de Daiana. “Ela estava chegando no salão quando foi surpreendida pelo ex. O homem estava numa moto e jogou o veículo sobre ela, a empurrando contra a parede. Quando ela tentou se levantar, ele começou a esfaqueá-la”.

Maristela relata que o suspeito não se conformava com o fim do relacionamento que teve com a vítima. “Sei que eles ficaram juntos por aproximadamente cinco anos e que terminaram por volta de três meses. Este caso nos deixou assustados pois ele, aparentemente, era uma pessoa calma e tranquila. A Daiana nunca reclamou nada dele com a gente”, pontua.

A vítima foi esfaqueada na região do tórax e do pescoço. “O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado, mas ela acabou não resistindo a este crime brutal e morreu no local”, conta a colega de trabalho. Após o crime, o rapaz foi normalmente para a casa dele, mas acabou sendo preso pela PM.

Conforme o veículo regional ND, o homem se entregou quando os militares chegaram à residência e não ofereceu resistência. Outro portal local, o Mesorregional, informou que o autor disse às autoridades que assassinou Daiana dos Santos “por amor”.

‘Muito querida’

Além de modelo, Daiana também era cabeleireira, especialista em cachos, e trabalhava com Maristela há três meses – tempo suficiente para a colega passar a admirar a mineira. “Era uma pessoa maravilhosa, de luz e muito querida. Daiana tinha uma luz que só quem conviveu com ela sabe do que estou falando e não digo isso pelo fato dela ter morrido. É a pura verdade. Vai fazer muita falta”, lamenta.

Maristela estava no serviço quando a mineira foi morta e diz: “As cenas que vi jamais vou esquecer na minha vida”.

Família abalada

A tia com quem Daiana morava na região Sul do país está providenciando a documentação para que o corpo seja liberado e possa ser transportado para Minas Gerais. A familiar está muito abalada, diante do crime brutal sofrido pela sobrinha, e não teve condições de conversar com a reportagem. Doações estão sendo pedidas para que aconteça o translado do corpo.

“Pedimos ajuda de custo para fazermos o translado. Daiana é de família carente e eles não têm condições de levar o corpo para Minas Gerais. O valor do translado é de R$ 8 mil e a família não tem condições. Estamos pedindo ajuda para quem puder contribuir com qualquer valor. Vamos dar, pelo menos, um fim digno para Daiana”, disse Francisleine Axt, líder do Núcleo Blumenau do Grupo Mulheres do Brasil.

Os valores podem ser doados para a conta da tia de Daiana:

  • Nome – Julsandra Martins da Silva
  • Banco – Caixa Econômica Federal
  • Agência – 1924
  • Conta – 013 00045719-0
  • CPF – 044308586-24

O Movimento 8M Blumenau vai realizar um ato na tarde de hoje (27) para cobrar por justiça. “Mais uma mulher vítima de feminicídio em Blumenau! Menos uma de nós! Não nos calaremos! Daiana presente”, afirmam os organizadores do ato.

justiça por Daiana
Ato acontecerá na cidade onde crime aconteceu (Reprodução/Facebook)

O grupo Mulheres do Brasil Blumenau também lamentou a morte de Daiana. “Até quando teremos estas tristes notícias para relatar? Muito tem a ser feito por nós como sociedade civil. Choramos por todas as mulheres vítimas de violência no Brasil que é o 5º país mais violento do mundo para as mulheres”, postaram nas redes sociais.

Edição: Thiago Ricci
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários