Natal Solidário: Vendedora promove apadrinhamento de cartinhas em BH

papai-noel
Além de apadrinhar cartinhas, Keli Alves pede para que pessoas doem caixa de bombons (Reprodução/EBC)

O Natal é uma época do ano que, comumente, desperta a solidariedade nas pessoas. Prova disso é a ação que Keli Alves, vendedora de lingeries, promove todos os anos no Morro do Papagaio, região periférica da Zona Sul de BH. A ação, que tem o nome de “Natal Solidário”, vem sendo feita por Keli desde 2018, com o intuito de presentear crianças que vivem em situação de vulnerabilidade.

Ao BHAZ, Keli Alves contou que promove ações solidárias voltadas para as crianças há 13 anos, sendo elas no dia 12 de outubro, anualmente. Há dois anos, a vendedora de 40 anos decidiu estender a ação para o Natal. Segundo Keli, o fato de ter sido uma criança que não recebia presentes no Natal a motivou. “Muitas crianças não conseguem ganhar um presente de Natal e isso é ruim, isso aconteceu comigo. Então eu falava com a minha mãe que queria fazer algo para mudar a vida das crianças”, relatou.

Além da motivação emocional, Keli disse que, em 2018, duas crianças que já a conheciam pelas ações do dia 12 de outubro, entregaram a ela cartinhas de Natal. “Elas falaram ‘você consegue para mim tia?’ Aí eu falei ‘posso tentar'”. Com isso, Keli uniu forças com as pessoas que já a ajudavam no Dia das Crianças, e começou a mediar o apadrinhamento de cartinhas de Natal.

A ação que Keli promove consiste em receber cartinhas de crianças carentes, que pedem presentes de Natal, e divulgá-las, para que pessoas possam apadrinhar. “De 2018 para 2019, a gente fez uma ação no posto de saúde, e os médicos e enfermeiros pegaram as cartinhas (…) a intenção é dar o que a criança pedir, mas que não sejam coisas fora da realidade”. Ela contou que, geralmente, os pequenos pedem bolas, bonecas, material escolar ou chocolate.

Famílias carentes

Sobre o Natal Solidário ser realizado no Morro do Papagaio, Keli contou que escolheu o lugar por morar lá. “Eu moro aqui, muitas crianças estão em situação em que moram de aluguel, não têm pai, só têm a mãe que cuida da casa, e não têm condições de ter coisas melhores, até mesmo um iogurte, um Danone”, lamentou. Além do Natal Solidário, Keli Alves disse que procura ajudar as famílias carentes da região arrecadando cestas básicas.

A vendedora de lingeries disse que ainda está recebendo cartinhas, e que está com duas esperando para serem apadrinhadas. De acordo com Keli, o processo para ela receber as cartinhas é bem simples. “Algumas tem vergonha de entregar pessoalmente e deixam no meu correio, outras entregam na rua, ou pedem a mãe para me entregar, eu só vou atrás [do endereço] para conferir”. Além disso, Keli está em busca de doações de caixas de bombons.

Ela ainda conta que existem duas famílias em especial, que moram na região, que vivem numa situação de vulnerabilidade muito intensa. Em uma casa, a mãe mora com cinco filhos e, na outra, é uma mãe com dois filhos adolescentes. Segundo Keli, uma das casas está bastante precária, tanto em questões de limpeza quanto de estrutura. “Eu e mais duas pessoas fomos lá limpar e encontramos muitos ratos e retiramos 10 sacos de lixo”.

Para apadrinhar uma cartinha ou doar caixas de bombom, basta entrar em contato com Keli pelo (31) 98735 – 6606, ou ir até seu endereço, que é o Rua Tancredo Neves, 64, Morro do Papagaio. Quanto às famílias carentes, Keli Alves disse que gostaria que as pessoas fizessem uma visita às casas delas, e que se disponibiliza para ir junto. Fazendo a visita pessoalmente, a vendedora acredita que será melhor para que cada um veja com os próprios olhos o que as residências precisam.

Imagem que Keli usa para divulgar o Natal Solidário (Reprodução/Redes Sociais)

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários