Meu escritório é na praia: home office fora de casa vira tendência

bruna resende home office
Home office fora de casa virou tendência (Arquivo pessoal/Bruna Resende)

Feche os olhos e imagine que você poderia trabalhar, agora, de qualquer lugar do mundo. Nos seus sonhos, você estaria em casa? Com a pandemia de Covid-19, as raízes que prendiam as pessoas aos grandes centros urbanos e escritórios foram rompidas, desde que foi instituído o home office como a maneira mais segura de conter o avanço do coronavírus. Como resultado, uma vontade de expandir os horizontes tomou conta do pensamento de muitas pessoas nos últimos meses.

Segundo pesquisa do Airbnb nos Estados Unidos, existem três tendências principais redefinindo as viagens em 2021: viver em qualquer lugar, destinos hiperlocais e viagens de reconexão. O levantamento aponta que 83% dos entrevistados são a favor de se acomodar em outro espaço, fora de casa, como parte do trabalho remoto, e 20% se mudaram efetivamente para outro local no contexto da pandemia. A tendência também é mais bem vista entre os jovens. A geração Z e os millennials são mais propensos a acreditar que podem se mudar para um novo endereço para trabalhar ou estudar remotamente.

Contudo, trabalhar de casa é muito diferente de entrar de férias. As jornadas a serem cumpridas, as tarefas e as reuniões – agora via internet – permanecem as mesmas. Para alguns, porém, a troca de ares é revigorante, aumenta a produtividade e pode até ser mais vantajosa financeiramente.

Sem a obrigação diária de voltar ao escritório para cumprir a jornada, é possível encarar mudanças radicais, e fazer de um destino paradisíaco o seu local de trabalho. É o caso de Bruna Resende, brasiliense que está passando uma temporada em Tulum, no México, desde 1º de novembro. Ao ouvir que a empresa onde trabalha estabeleceria o regime de home office pelo menos até 2021, ela colocou a ideia na ponta do lápis e percebeu que mudar de cidade, mesmo que provisoriamente, seria uma experiência agregadora.

Leia a matéria completa no Metrópoles, parceiro do BHAZ.

Comentários