Matrículas nas escolas municipais de BH começam nesta segunda-feira

Escola-Municipal-Padre-Marzano-Matias
Matrículas são voltadas para alunos de 4 a 5 anos (Amanda Dias/BHAZ)

Teve início hoje (30) o período de matrícula dos alunos que foram aprovados na segunda fase do cadastramento escolar da rede municipal de ensino de BH. As matrículas podem ser feitas até a sexta-feira (4). O resultado dos alunos aprovados na segunda fase do cadastro foi disponibilizado pela prefeitura no dia 27, e pode ser acessado neste link.

A Secretaria Municipal de Educação divulgou na última sexta-feira (27) o resultado da segunda fase do cadastramento escolar 2021. Crianças de 4 a 5 anos e residentes em Belo Horizonte haviam sido cadastradas nessa etapa, para garantir uma vaga na rede municipal. Para saber sobre os próximos passos da matrícula, a prefeitura pede para que as famílias acessem o link do Cadastramento Escolar Web (clique aqui).

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, todas as etapas de cadastramento escolar estão sendo feitas pela internet, por causa da pandemia. “Devido à pandemia, a Prefeitura organizou todo o processo de cadastro escolar e matrícula, em etapas e pela internet, justamente para evitar aglomerações nas secretarias das escolas. As etapas separadas também ajudaram a garantir em cada fase o suporte telefônico às famílias, já que este ano as escolas não puderam estar abertas para este apoio presencial”

Cadastramento divido em fases

O cadastramento escolar foi dividido em fases, de acordo com a idade e ano escolar de cada criança. A primeira foi voltada para os alunos que já estudam em escolas da prefeitura, e que irão para o ensino fundamental. A segunda fase, e que está disponível para realização de matrícula, foi voltada para as crianças de 4 e 5 anos, estudantes do Ensino Fundamental.

Já a terceira fase foi direcionada para o cadastramento de crianças de 0 a 3 anos de idade e gestantes que desejam uma vaga na Educação Infantil. O resultado dessa fase será divulgado no dia 23 de dezembro, no portal da prefeitura, que pode ser acessado por este link.

Quanto às rematrículas ou à renovação de matrícula para os alunos que já são da rede municipal de ensino, o cadastro será aberto depois. Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, esse cadastramento será semelhante ao sobrecadastro eletrônico, que é voltado para quem perdeu a primeira e a segunda etapa.

Sem previsão para início das aulas

Em coletiva de imprensa, realizada na quarta-feira (25), o prefeito Alexandre Kalil afirmou que não existe definição para a data de retorno presencial das aulas. A Smed (Secretaria Municipal de Educação) também não ajustou a data de início das aulas, mesmo que remotas.

Uma condição para que o ensino da rede pública volte de maneira presencial é de que os índices de infecção epidemiológica estejam em 20 por 100. Entretanto, a Secretaria Municipal de Educação já sinalizou que um modelo híbrido poderá ser a solução, em que os alunos terão aulas tanto remotas quanto presenciais.

A Prefeitura de Belo Horizonte liberou, no dia 17 de novembro, um documento com protocolos para o retorno das aulas presenciais (relembre aqui). A medidas são provisórias e podem sofrer alterações. Começando pelo tempo de permanência nas instituições, os alunos só poderão ficar nas escolas por quatro horas. A entrada e saída dos estudantes será feita de forma fracionada, para evitar aglomerações nos portões.

Nas escolas de ensino infantil, fundamental e médio, as salas deverão comportar 12 alunos, no máximo, e eles deverão ser mantidos a uma distância de 2 metros. Estudantes, professores e demais funcionários deverão usar máscara. Em caso de não possuir o objeto, a escola terá que fornecer para todos.

Eventos escolares suspensos

Quanto a eventos que causem aglomeração, eles estarão suspensos, e a prefeitura recomendou que as aulas sejam feitas ao ar livre. O documento ainda recomenda que os alunos evitem o manuseio de materiais e, para isso, o uso de recursos audiovisuais é indicado. Em relação às refeições, os protocolos aconselham refeições dentro de sala de aula, do o ensino infantil ao médio. Além disso, pede-se para que os alunos higienizem a própria mesa.

Outras recomendações são para que os alunos não escovem os dentes nas instituições, e para que a refeição seja a última atividade dos estudantes. Em caso de merendar fora das salas de aula, o protocolo é que seja feita higienização nos bancos e mesas nos intervalos entre as turmas. Em caso de a escola possuir lanchonete, ela deve estar devidamente dentro dos protocolos destinados para bares, lanchonetes e restaurantes.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários