‘Ditador’: Eduardo Bolsonaro detona Kalil e critica eleitores de BH

eduardo bolsonaro e alexandre kalil
Deputado comentou declaração do prefeito de BH (Marcelo Camargo/Agência Brasil + Reprodução/YouTube/Roda Viva)

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) chamou o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), de “ditador” ao comentar uma declaração do chefe do Executivo municipal sobre um possível fechamento do comércio na capital mineira. A fala de Kalil aconteceu durante entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, nessa segunda-feira (30). No programa, o prefeito fez críticas ao pai de Eduardo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Se estão achando que a doença acabou, eu fecho tudo de novo. E disse em alto e bom som numa entrevista coletiva: se quando eu precisava do voto eu fechei, imagina agora que eu não preciso. Então ninguém duvide que eu vou fazer [um novo fechamento]”, disse Kalil ao ser perguntado sobre a pandemia na cidade e seus possíveis reflexos. BH tem, conforme o último Boletim Epidemiológico e Assistencial, 54.413 casos confirmados e 1.650 mortes por Covid-19.

A declaração do mandatário da capital não agradou o deputado Eduardo Bolsonaro. Em uma postagem no Twitter, na manhã de hoje (1º), ele postou trecho da entrevista com os dizeres: “Parabéns BH pela reeleição deste belo projeto de ditador, ou melhor prefeito”. A publicação do filho do presidente Bolsonaro já havia ultrapassado, até às 10h, 87 mil visualizações.

Repercussão

Nos comentários da postagem internautas se dividiram entre apoio e críticas ao deputado. “Bateu o medo do Alexandre Kalil aí, foi? Sim, foi eleito em primeiro turno com 60% de votos válidos, com grande aprovação da população daqui e por que será né? Cuida do que te compete e fica quieto aí que você vai passar menos vergonha”, publicou uma pessoa.

Houve quem duvidasse ainda da vitória de Kalil alertando o deputado sobre uma possível fraude. “Não sabemos se BH realmente o elegeu. Com o sistema eleitoral que temos, é impossível auditar a eleição e tirarmos a prova. Somente com a impressão física do voto eletrônico computado é possível fazer a recontagem voto a voto”.

Críticas a Bolsonaro

O presidente da República também foi citado por Kalil durante a entrevista ao Roda Viva. Para ele, o “líder” do país “errou muito na pandemia” do coronavírus. “Vamos ser muito sinceros. Ele derramou dinheiro na pandemia. Negar a pandemia era verbalizar. Foi de graça. Não custou nada. Então o mais difícil de fazer, ele fez. Não economizou na pandemia. Se ele não tivesse negado, ele teria gastado a metade do que ele gastou. Se ele tivesse liderado a nação, ele teria gastado a metade do que ele gastou”.

Kalil ainda destacou que “faltou liderança” de Bolsonaro na pandemia, pois ele é o mandatário do país. “O presidente da República é um líder, gostando dele ou não. Já falei que não preciso dele como amigo, preciso para me dar dinheiro para a saúde, educação, infraestrutura. Na hora de reconstruir a cidade [depois das chuvas de janeiro], custou R$ 200 milhões e o governo federal mandou R$ 7 milhões”.

“É pra isso que eu preciso dele, meus amigos de tomar cerveja eu já tenho. Faltou a liderança que a gente está vendo na Europa, que é o primeiro ministro que fala, o presidente que fala, o líder nos guiando”, complementou.

Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários