Duda Salabert é ameaçada de morte; massacre aconteceria em escola de BH

duda salabert
Vereadora eleita fez postagem denunciando as ameaças (Reprodução/Instagram/@duda_salabert)

A professora e vereadora mais votada da história de Belo Horizonte, Duda Salabert, está sendo ameaçada de morte e vítima de transfobia. A parlamentar recebeu um email assinado por um grupo neonazista no qual sofre xingamentos discriminatórios e intimidações: “Vou te matar”. A mensagem ainda promete fazer “um mar de sangue” no colégio Bernoulli, onde Duda leciona, assim que a unidade voltar com as aulas presenciais.

Em entrevista ao BHAZ, Duda revela que as ameaças se tornaram constantes desde que venceu o pleito, no último dia 15, quando se tornou a primeira mulher transexual eleita vereadora e a mais votada da história da capital mineira, com 37,5 mil votos. “Sempre recebo as mensagens pelo Instagram, mas ontem (quinta-feira, 3) foi a primeira vez que chegou por email. Eles também encaminharam para toda direção do Bernoulli”, conta.

Na ameaça, o autor diz estar desempregado, com a esposa fazendo tratamento contra câncer de mama e “vivendo do Auxílio Emergencial”. O criminoso proferiu xingamentos transfóbicos e prometeu comprar “duas pistolas 9 mm no Morro do Engenho”, no Rio de Janeiro, para executar a vereadora eleita. O ataque aconteceria quando as aulas presenciais retornarem no Bernoulli e Duda não seria o único alvo.

“Vou matar todas as vadias, todos os negros, que infelizmente serão bem poucos, um ou dois cotistas, e depois vou te matar… Depois de matar mais vadias e explodir alguns carros na portaria, eu vou meter uma bala na minha cabeça. Eu não tenho mais nada a perder. Quando as aulas presenciais voltarem, o Bernoulli virará um mar de sangue”, escreveu em outro trecho.

Estou sofrendo ameaças de morte. Sim, desde que ganhei a eleição venho recebendo mensagens não apenas de ódio, mas…

Publicado por Duda Salabert em Sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

‘Não vão me silenciar’

A ameaça veio com a assinatura de Ricardo Wagner Arouxa, nome usado por um grupo neonazista. “Há uma preocupação muito grande porque aquele psicopata, que fez o massacre na escola de Suzano, segundo alguns jornais, fazia parte deste grupo. Eles articulam nacionalmente em torno desta assinatura”, afirma a vereadora eleita.

Mesmo preocupada com as ameaças recebidas, Duda diz acreditar nas autoridades competentes. “Ao mesmo tempo [que fico preocupada], confio na investigação da Polícia Civil de Minas Gerais e acredito que eles vão chegar até os autores da ameaça”. Na visão da professora, tudo que vem acontecendo é uma tentativa de silenciá-la.

“O email que recebi é um atentado psicológico com o objetivo de silenciar a minha luta e causar minha demissão na escola que trabalho. Quando candidatei ao Senado, em 2018, ligavam para o colégio pedindo minha demissão e avaliavam a página da escola negativamente no Facebook. Não vão me silenciar”, ressalta.

Denúncia

Duda Salabert realizará o registro da ocorrência ainda na tarde de hoje (4). “Tenho um encontro marcado com a delegada Larissa Mascotte, da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher, e ela já se colocou à disposição para dar o auxílio necessário”.

Procurada pelo BHAZ, a Polícia Civil de Minas Gerais informou que, em casos como este, a vítima é orientada a procurar a delegacia mais próxima para registrar a ocorrência e fazer a devida representação.

Ao BHAZ, o colégio afirma que repudia qualquer tipo de violência ou preconceito. “A questão já foi direcionada às autoridades competentes para que sejam tomadas as providências cabíveis e acompanharemos seus desdobramentos”, diz, em trecho de nota (leia na íntegra abaixo).

Nota do Bernoulli na íntegra

Em relação às ameaças sofridas pela professora Duda Salabert e que citam o Bernoulli, a questão já foi direcionada às autoridades competentes para que sejam tomadas as providências cabíveis e acompanharemos seus desdobramentos. O Bernoulli ressalta que repudia qualquer tipo de violência, preconceito e ódio.

Nota da Polícia Civil na íntegra

“A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que, até o momento, não localizou registro de ocorrência com as informações repassadas. A orientação é que a vítima procure uma Delegacia de Polícia Civil, mais próxima, para o registro da ocorrência e a devida representação”.  

Edição: Thiago Ricci
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários