Sobe para 17 o número de mortos após ônibus despencar de viaduto

ônibus cai ponte br-381 joão monlevade
Ônibus caiu de uma ponte na BR-381 (Reprodução/Redes sociais)

O número de mortos no acidente com o ônibus que despencou de um viaduto, na BR-381, subiu de 14 para 17. Segundo a Polícia Civil, todos os corpos estão sendo encaminhados para Belo Horizonte. O acidente ocorreu em João Monlevade, região Central de Minas. O veículo caiu de uma altura de 35 metros na tarde de hoje (4), deixando também 27 pessoas feridas.

O veículo saiu de Mata Grande (AL) e seguia para São Paulo. Segundo informações da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e dos bombeiros, o veículo teria saído da pista ao passar pela Ponte Torta, sobre o rio Piracicaba. Várias ambulâncias foram enviadas para resgatar as vítimas.

Imagens que circulam nas redes sociais mostram vários motoristas que passavam pelo local e pararam para entender o que tinha acontecido.

Por causa do acidente, o nome da cidade foi parar entre os assuntos mais comentados do Brasil no Twitter. Entre as publicações, os internautas se mostraram assustados e preocupados com a situação. Muitos perguntam sobre o estado de saúde do motorista e lamentam o caso.

Alerta do motorista

O motorista que dirigia o veículo percebeu que o freio havia falhado e gritou para que os passageiros pulassem, momentos antes da queda. A informação é de um homem, de cerca de 34 anos, que sobreviveu ao se jogar do veículo.

“O ônibus começou a dar falha, já vinha em alta velocidade, bateu em outro retrovisor, e já percebi que tinha algo errado. Fiquei em posição de movimento, e falei, ‘acho que aconteceu alguma coisa’”, contou Cícero, o passageiro sobrevivente, ao repórter Bell Silva, do jornal local O Popular.

Edição: Roberth Costa
Jordânia Andrade
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários