Prefeito reduz o próprio salário em 92%: ‘A gente tem que dar o exemplo’

prefeito bahia
No primeiro decreto assinado por ele, prefeito reduziu o próprio salário (Reprodução/@thiagodiasoficial/Instagram)

O prefeito recém-empossado, Thiago Dias (PCdoB), de Jacobina, no Norte de Bahia, abriu mão do valor mensal de R$ 15 mil que teria direito para receber um salário mínimo (hoje R$ 1.100) e viver como o trabalhador. Ele contou que não falou sobre essa ação em campanha. Thiago também chamou a atenção por participar da posse montado em um boi.

A redução em 92% de seu salário foi publicada no DOM (Diário Oficial do Município) na segunda-feira (4), por meio de um decreto, e vale até dezembro deste ano. Ele contou à TV Bahia por que tomou essa decisão: “. “Pela sensibilidade que o homem público tem que ter, de que o 90% dos trabalhadores aqui em Jacobina — e não é diferente no estado e no Brasil — sobrevivem com um salário mínimo.”

“Eu tenho aqui carro à disposição, combustível à disposição, assessoria à disposição. Ainda estou bem à frente do trabalhador e da trabalhadora. A gente tem que dar o exemplo, temos que cortar da própria carne”, afirmou. “Essa decisão tomei ainda em 8 de outubro de 2018, quando lancei a pré-candidatura a prefeito, estando eleito, iria tomar essa decisão. Seria o primeiro decreto oficial quando eu tomasse posse.”

“Não falei em campanha, não falei posterior a campanha sobre o decreto pra não ser demagogo e sim quando tive o diário oficial à disposição, tomei a decisão de fazer essa medida. Tô realizado, tô contente, tô feliz”, contou. Quando questionado sobre a decisão, ele diz que não precisa de mais do que o salário mínimo: Quando você chega nas visitas, é café, almoço e janta, tá faltando é agenda, tá faltando é barriga pra tanta demanda, então não tem o que reclamar.”

“Tenho três filhas e iremos passar as pensões proporcionais para cada uma delas, até mesmo porque o trabalhador às vezes tem 10 filhos e sobrevive, porque o prefeito tem que ser diferente.”

“Um homem público, um prefeito não está nem acima e nem abaixo do trabalhador e da trabalhadora. Ele tem que estar lado a lado. Não adianta no discurso a gente colocar que está trabalhando para o povo [com o povo] se não viver como o povo vive”, ponderou.

“Deus me deu essa oportunidade, a população me deu essa oportunidade de estar prefeito e a gente tem que tomar essas decisões [para fazer as reparações necessárias] para que a população compreenda que seus representantes, o prefeito, os vereadores e a vice-prefeita são parte da cidade, e não donos da cidade. Não somos donos da cidade”, prosseguiu Thiago.

Posse

Thiago também chamou a atenção por participar da posse montado em um boi. Quando se preparava para a cerimônia, família e população estava com o prefeito eleito na rua, e um carro de som também foi contratado, que tocava “Chuva de Honestidade”, de Flávio Leandro, que dá voz à revolta do povo nordestino em relação à seca da região.

O prefeito é ativo nas redes sociais e compartilhou algumas fotos da ocasião. Na posse, ele utilizou uma roupa de couro marrom, em referência aos homens do campo. Em uma publicação, Thiago diz “quero honrar e trazer de volta a transparência que nossa cidade precisa. Vou trabalhar muito. Vamos juntos”.
Ele também se posicionou sobre a função de um homem público eleito: “Quem quiser folga, quem tiver interesse de final de semana estar na praia ou na cachoeira tem que procurar outra coisa pra fazer, e não política. Na política, comer e dormir são detalhes. Então temos que trabalhar com firmeza pra honrar o voto da população.”

Retorno

Com a redução salarial, o retorno do dinheiro para os cofres públicos é de cerca de R$ 170 mil. Thiago já falou para onde gostaria de direcionar esse dinheiro: “Foi uma medida que eu tomei ainda em 8 de outubro de 2018, que iriamos dar o pontapé inicial da gestão, no primeiro dia útil, no construir da manhã, uma instituição que cuida de crianças vulneráveis, uma instituição importante.”

“Já conversei com o jurídico, com o contável, já estão todos atentos para que esse recurso que vai retornar do meu salário seja distribuído proporcionalmente para as instituições. Algumas delas nós já temos convenio, município-instituição, aí a equipe está vendo se vai aditivar esses convênios, acumulando esse recurso, ou se vai abrir um novo convenio para esses repasses.”

“A gente vai cuidar disso até o final do mês e posteriormente vamos estar passando essas informações detalhadamente, de como que ficou essa distribuição para algumas instituições aqui do nosso município.”, disse.

Ele também demonstra preocupação com o meio ambiente e transporte verde. O prefeito vai utilizar bicicleta toda segunda-feira, no dia de atendimento ao gabinete: “Precisamos de novas ciclovias aqui em Jacobina, e nada melhor do que a gente vir de bicicleta para saber o que o ciclista passa”, argumentou.

“Então, todos os dias de atendimento no gabinete eu irei vir de bicicleta. Nos demais dias, em que iremos para as comunidades, irei usar o carro. Se ampliar o dia de atendimento ao público, se for dois dias, dois dias iremos vir de bicicleta”.

“Os demais dias não dá porque você vai pra comunidade, nós temos comunidade a 45km da sede, por enquanto ainda não dá, mas vamos trabalhar aí, quem sabe, no futuro, a gente consiga ai que não seja uma bicicleta, mas uma motocicleta, a eletrônica, um carro elétrico, pra ir contribuindo com o meio ambiente”, projetou.

Thiago também se preocupa com àqueles com mobilidade reduzida, como idosos e deficientes. Ele passou o gabinete para o andar debaixo do prédio da prefeitura e está construindo rampas de acesso no local.

Perfil

Thiago Dias nasceu e foi criado na cidade que é prefeito agora. Durante a infância, morava e trabalhava na zona rural com os seus pais, e foi à cidade para finalizar a escola. Ele é trabalhador rural, do partido comunista do Brasil, e em 2012 disputou a primeira eleição, como vereador. Foi o segundo mais votado na cidade. Na eleição seguinte, em 2016, foi o primeiro mais votado.

Em 2018, ele tentou o cargo de deputado estadual na Bahia, mas não venceu as eleições. Decidiu, então, tentar a prefeitura, que ele venceu nas últimas eleições, em novembro do ano passado, com 19.207 votos no total. Thiago derrotou Luciano da Locar (DEM), que ficou em segundo lugar em uma disputa acirrada, com 43,91% e 18.405 dos votos.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários