Entregadores aproveitam tempo livre e ‘lançam’ passinho na Praça Sete

Entregadores dancando na praca 7 em bh
Fabio e Bernardo dançando na Praça 7, no Centro de BH (Reprodução/Instagram)

Um vídeo de dois entregadores fazendo passinhos na Praça Sete, no Centro de BH, é uma das pequenas alegrias que a vida adulta proporciona aos mineiros. Na tarde de hoje (13), Fábio Oliveira e Bernardo Russo aproveitaram o tempinho livre entre uma entrega e outra e chamaram atenção. Com as mochilas de entregas nas costas, que estavam vazias no momento, os dois se divertiram ao “lançar” uma dancinha de funk .

O BHAZ conversou com Fábio, mais conhecido como PINK BEIÇO. É ele quem aparece no vídeo em cima da bicicleta. O entregador contou que estava sem nenhuma entrega para fazer no momento, e lamentou que “os dias estão péssimos para os entregadores”. Para não deixar a tristeza bater, decidiu chamar Bernardo e então fizeram o vídeo. Assista:

Além do humor

Fábio fez questão de reforçar que, apesar de gravar o vídeo, não deixou as obrigações de lado. Ele conta que os trabalhadores do ramo de entrega passam por diversos tipos de preconceitos diariamente, principalmente com reclamações de demora nas entregas. O entregador explica que a demora muitas vezes parte do próprio estabelecimento. “Deixam os entregadores mofando do lado de fora esperando o pedido e eles descem para nos entregar a hora que bem entendem e ainda nos destratam”, conta.

“Quero que saibam que existem entregadores ruins, pessoas que querem atrasar a vida e o conforto dos clientes fazendo diversas coisas erradas, mas nem todos saem das suas casas para ganhar o pão sendo entregador para ser desrespeitado, julgado ou maltratado. Muitos são pais de família e pessoas de bem”, argumenta.

O trabalhador explica que a exaustiva jornada diária em busca das entregas nem sempre é bem remunerada. Fábio é um dos muitos que trabalham pedalando uma bike, sem motor, na base da força e da vontade em busca do sustento. “Hoje enxergo o trabalho de entregador muito mal remunerado. Durante esse período de pandemia teve muito mais entregadores (nas ruas). Tudo isso para fazer R$ 80 por dia em média, tendo que trabalhar de 10 a 15 diariamente. Sem contar que tem dias que não ‘dá’ nada, como o dia da postagem do vídeo”, afirma.

Produtor audiovisual

O jovem, que chama atenção nos vídeos, também mostra talento por trás das câmeras. Fábio é viodeomaker e filmaker criativo há quatro anos. NO canal dele no YouTube, o rapaz esbanja bom humor em produções autorais. “Eu amo gravar , produzir…Gostei muito”. O que ajudaria ainda mais o trabalho de Fábio como youtuber, seria o engajamento nas redes. “Lógico que todo mundo gostaria de receber seguidores novos do mesmo jeito que recebo visualizações ou likes no post (que viralizou)”, diz.

Página inicial do canal de Fábio (Reprodução/YouTube)

E apesar de não se importar com os números, Fábio está focado no que faz de melhor. “Só de ver as pessoas rindo e se divertindo com meu conteúdo já me deixa feliz. E estou muito feliz também porque nunca apareci em nenhuma página nesses quase cinco anos de estrada”, comemora.

O vídeo de Fábio e Bernardo já conta com quase 4 mil visualizações, em menos de uma hora de publicação, na página que é queridinha dos belo-horizontinos, a BH é meu país.

“A reação da galera foi inusitada, não é muito normal fazer essas coisas. O vídeo foi aleatório, sem pretensão de crescimento”, explica. Para a alegria de quem gostou do vídeo, Fábio segue firme e forte na meta de seguir postando mais conteúdos. “Vou continuar e corro atrás pra ser alguém influente, principalmente no meio audiovisual”, afirma.

Edição: Roberth Costa
Jordânia Andrade
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários