Estudante faz vaquinha e pede ajuda para concluir o curso de medicina; saiba como ajudar

Estudante medicina faz vakinha online
Estudante Filipe durante estágio em clínica de medicina do trabalho (Reprodução/@lipestick/Instagram)

Conseguir terminar a graduação em medicina para muitos ainda é um sonho distante. Com a queda no número de bolsas de estudos e a baixa no financiamento estudantil, pagar a mensalidade de uma universidade tem sido tarefa difícil para os estudantes do ensino superior. Para o graduando em medicina Filipe Pivato a forma de conseguir chegar até o final do curso foi fazer uma vaquinha online.

O jovem de 25 anos, natural de São Lourenço, está no 8º período de medicina na UNIFENAS e fez um post no Instagram pedindo ajuda para conseguir se formar nos próximos dois anos. Filipe é beneficiário do programa Fies, de financiamento estudantil, e explicou a dificuldade que tem passado depois da morte da mãe, em um acidente de carro no ano de 2018. “Minha trajetória sempre foi aos trancos e barrancos. Lembro a primeira vez que passei (no vestibular) e ela ficou feliz, e chorou porque não tinha dinheiro pra pagar”, relembra.

“Fizemos um trato, que seria: ela pagaria a faculdade e eu tentaria o FIES ao mesmo tempo. No 1º semestre de 2017 não consegui FIES por causa da nota. Final do semestre tivemos a mesma conversa e as palavras dela não saem da minha cabeça: ‘Quero que saiba que eu estou deixando de realizar o meu sonho pra realizar o seu'”. Filipe é um dos milhares de estudantes que precisa do financiamento do Governo Federal para conseguir acesso ao ensino superior.

O estudante tem 73% de financiamento no valor total da mensalidade. Recentemente, Filipe tentou entrar na Justiça para aumentar o valor de cobertura do FIES, mas teve a liminar negada. “Deverá apresentar as provas que pretende produzir”, diz a resolução da Justiça. “O advogado, especialista em FIES, disse que basicamente ele (juiz) nem leu, porque tem todas as provas necessárias ali. Ele disse que, se eu tive dinheiro pra pagar de dezembro até hoje, então eu consigo pra pagar o resto. Entramos com recurso enviando os extratos da minha conta bancária”, diz Filipe.

Ajuda coletiva

Sem ter como trabalhar muito tempo fora por conta dos estudos, Filipe passa parte do tempo fazendo estágio uma vez por semana em uma clínica de medicina do trabalho. “O curso de medicina não da muito espaço para trabalhar, ainda mais que tenho prova a cada duas semanas”, explica. Por isso, o jovem contou com a ajuda de amigos para criar uma vaquinha online. A meta é alcançar R$ 38 mil, valor que servirá pra quitar os débitos da faculdade e pagar o restante que ainda falta.

Reprodução/Vakinha.com

“Quero ser um médico de qualidade e suprir essa falta de empatia que os médicos atuais têm, como nem olhar nos olhos do paciente, né? Tem muita prova, tem que estudar muito, tem que abdicar de muita coisa. Tem, mas eu não posso deixar a peteca cair, sabe?”. Uma das funcionárias da UNIFENAS, Thais Ágatha, explica que Filipe é um jovem esforçado: Ele merece muito, excelente aluno, tenho certeza que será um excelente médico também”, comenta.

Para contribuir com os estudos de Filipe, acesse aqui.

Edição: Roberth Costa
Jordânia Andrade
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários