Ex-Olodum, Douglas Felipe lança disco que celebra a ancestralidade mineira

Ex-Olodum
Multi-instrumentista nasceu em Belo Horizonte e foi criado entre os bairros Concórdia e São Bernardo (Divulgação)

Depois de percorrer mais de 30 anos de estrada, parte dela como integrante do grupo Olodum ou acompanhando Carlinhos Brown nas turnês, chegou a hora do cantor, compositor e multi-instrumentista Douglas Felipe seguir seu próprio caminho. Já está disponível em todas as plataformas digitais o seu primeiro álbum autoral intitulado “AFRO”. O disco traz nas 11 faixas o caldo da cultura pop com o tempero brasileiro: afoxé, axé, afro beat, candombe, samba, samba reggae, forró e reggae.

“Estamos em pleno ano 2021, mas não podemos perder as nossas raízes, a nossa ancestralidade”, afirma Douglas, diretamente de Los Angeles, onde o álbum foi gravado com selo independente.

Natural de Belo Horizonte, Douglas Felipe é filho do saudoso Oscar Balduíno, o sambista Kalu, e sobrinho de Mestre Conga, que neste mês completou 94 anos. Kalu e Conga fundaram a escola de samba Inconfidência Mineira, em 1950.

Há 70 anos, a escola fazia seu primeiro desfile na avenida Afonso Pena e, no início dos anos 1960, rivalizava com a Cidade Jardim, chegando a ser pentacampeã do carnaval de Belo Horizonte. Na década passada a escola deixou de desfilar.

“Na casa de minha avó, era onde tudo acontecia. Cresci com a casa cheia de gente, instrumentos debaixo da cama, minhas tias costurando fantasias para o desfile da Inconfidência Mineira”, relembra.

Ao acompanhar o pai Kalu no grupo Tempero da Vila, passou a ter contato com a cultura do samba e conviver com sambistas como Lulu do Império, Barbanache, Nonato, Severino, Luís Carlos, Simão de Deus, Lucrécio, Paizinho, entre outros.

Se o gosto pelo batuque veio da família do pai, foi graças à mãe, Irene Galdino do Santos, que teve contato com o piano, uma de suas principais referências. “Quando minha mãe saiu de casa para morar com o meu pai, uma das poucas coisas que ela levou foi o piano, que ela ganhou quando tinha 15 anos. O instrumento era tudo: a prateleira, o meu berço e onde ela colocava as panelas”, diz Douglas.  

No disco, o legado da família tem continuidade com a participação de Ian Donato, filho de Douglas Felipe, na música “Onda”, última faixa do álbum.

AFRO tem percussão assinada por Japa System e conta com a participação dos baixistas Cesario Leony e Elpido Bastos em algumas faixas ao lado de Douglas Felipe, no teclado. E ainda, Marcelo Sabóia, responsável pela mixagem e masterização.

Confira o disco aqui

Mais sobre Douglas Felipe

Integrou a banda Olodum entre 1993 e 1999  e com ela lançou cinco álbuns e rodou o mundo apresentando-se em mais de 80 países ao lado de bandas e músicos, dentre eles, Ziggy Marley, Inner Circle, Luke Dube, Big Mountain,: Sadao Watanabe , Carlos Toshiki , Bjork, Isaac Hayes  e Maxi Priest. E com Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Chiclete com Banana, Sandra de Sá, Jorge Ben Jor, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Chico Sciencie e Nação Zumbi. Como membro do Olodum, acompanhou a gravação do clipe “They don’t care about us”, na Bahia, lançado pelo rei do pop, Michael Jackson.

Em 1999, participou da turnê “Omelete Man”, como tecladista da banda do Carlinhos Brown. É parceiro do Carlinhos Brown, na canção “Vai Rolar”, incluída no disco “Bahia no Mundo – Mito e Verdade, de 2001, e sucesso na carreira do baiano.

Em Los Angeles desde 2001, já trabalhou com artistas como Bomshaka, Pato Banto e Elijha Rock. Estudou no Los Angeles Record Workshop , tempo em que compôs novas canções world music.

Live

Nesta semana Douglas Felipe participa da Live “Histórias de Carnaval”, promovida pelo Almanaque do Samba, por meio do Instagram do projeto (@almanaquedosamba). Também participam Toninho Geraes, Manu Dias, Serginho Beagá e Geo Cardoso (Baianas Ozadas).

Almanaque
Almanaquealmanaquedosamba@gmail.com

O Almanaque do Samba – A Casa do Samba de Minas Gerais é um projeto patrocinado pela Cemig, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (2011/001/2017), que busca valorizar o samba no estado e os artistas mineiros. Tem um portal (www.almanaquedosamba.com.br) e um programa de rádio, que vai ao ar aos sábados, às 21 horas, pela Rádio Inconfidência (880AM). O conteúdo também pode ser acessado por meio das redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube).

Comentários