Que raivaaa: Galo desperdiça mais uma chance de se aproximar da ponta

sampaoli grita galo fluminense maracanã
Sampaoli orienta jogadores do Galo contra o Fluminense (Pedro Souza/Atlético)

Em tempos de BBB, a vida da atleticana e do atleticano parece enfrentar uma tortura psicológica. Quando o torcedor praticamente descarta a esperança de título, vem o líder Inter e perde para o Sport, dentro de casa. Aí aparece aquela chama de novo. Mas a ilusão some quando o Galo precisa agarrar a oportunidade: os comandados do Sampaoli não passaram do empate contra o Fluminense na noite desta quarta (10), no Maracanã.

Dessa forma, o Atlético precisa de um feito único: tirar cinco pontos em três rodadas restantes. Isso sem falar no Flamengo, que também está na briga pelo caneco e tem quatro pontos a mais que o Galo. No outro extremo, a vaga direta na Libertadores ainda não está definida. Uma vitória contra o Bahia, no sábado (13), é fundamental para encaminhar, pelo menos, o posto já na fase de grupos da principal competição das Américas.

Lá e cá

O jogo começou quente, como era de se esperar: tanto para o Atlético, quanto para o Fluminense, só a vitória interessava. Logo aos 4, na cobrança de falta de Egídio, a bola sobrou para o zagueiro Luccas Claro na pequena área. Ele chutou, mas, na dividida com Arana, a bola foi para fora. O Galo respondeu aos 8 com cruzamento perigoso de Savarino pela esquerda, que passou pertinho do gol defendido por Marcos Felipe. Aos 15, o tricolor Luiz Henrique chutou colocado dentro da área para defesa segura de Everson.

Depois desse início eletrizante, o jogo esfriou pouco depois. Os times apostaram na troca de passes, mas erravam passes decisivos, encontrando dificuldades para infiltrar na marcação. 

Meio tarde, né?

O lance mais perigoso do Galo no 1T veio só aos 45 minutos. Vargas dominou dentro da área e chutou forte, mas a bola subiu. 

Voltou quente

Na volta para o 2T, o Galo tentou intensificar o nível de ataque, e quase abriu o placar logo aos 5 minutos. Savarino cruzou certinho para Sasha, que cabeceou à queima roupa, mas a bola passou perto da trave. 

O Fluminense ameaçou aos 27 do 2T, com bom lançamento de Nenê para o jovem John Kennedy. Marcado por dois defensores alvinegros, ele acabou tropeçando e não conseguiu chutar para o gol.

Por pouco!

A melhor chance do Galo veio aos 32 da etapa final. O time alvinegro fez linda jogada que resultou em ótimo cruzamento de Marrony, na segunda trave. Por muito pouco, a bola não chegou em Savarino, que tentou de carrinho. O time mineiro chegou bem de novo aos 46 (dentro dos acréscimos de 7 minutos), com um chutaço de Arana. O goleiro Marcos Felipe foi obrigado a espalmar para escanteio.

E o coração, tá como?

O jogo virou um verdadeiro teste para cardíaco para as duas torcidas. Apenas um minuto depois, Fernando Pacheco recebeu passe na área e ficou cara a cara com Everson. Porém, o atacante chutou rasteiro e o goleiro conseguiu fazer a defesa. No último minuto, aos 52 do 2T, o Galo só não perdeu o jogo por causa do milagre feito pelo seu arqueiro. Michel Araújo pegou a sobra e chutou uma bomba, que acabou sendo espalmada por Everson.

FICHA TÉCNICA:
FLUMINENSE 0 X 0 ATLÉTICO

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 10 de fevereiro de 2021, quarta-feira
Hora: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (SP) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartão amarelo: Allan (Atlético)

FLUMINENSE: Marcos Felipe, Calegari, Matheus Ferraz, Luccas Claro (Frazan) e Egídio; Martinelli, Yago e Nenê (Michel Araújo); Luiz Henrique (Caio Paulista), Lucca (Fernando Pacheco) e Fred (John Kennedy)
Técnico: Marcão

ATLÉTICO: Éverson, Guga, Réver, Junior Alonso e Guilherme Arana; Allan, Franco (Calebe) e Hyoran (Marrony); Savarino, Eduardo Sasha (Nathan) e Vargas (Diego Tardelli)
Técnico: Jorge Sampaoli

Edição: Thiago Ricci
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatrizkof@gmail.com

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre os jogos dos times mineiros como repórter freelancer para o BHAZ.

Comentários