Assessor de Bolsonaro acusa Globo de enviar maconha ao Big Brother

Karol Conká fumando
O assessor postou um vídeo de quando a rapper ainda estava no programa (Reprodução/Redes Sociais)

O assessor especial do presidente Jair Bolsonaro, Tercio Arnaud Tomaz, resolveu tirar a manhã de trabalho para provocar a Rede Globo e a ex-participante do Big Brother Brasil, Karol Conká. A rapper foi eliminada com a maior rejeição da história do programa. Tercio postou um vídeo em que Karol fuma um cigarro durante sua permanência no programa.

“Maconha? Globo comprando e enviando maconha para os participantes do BBB?”, questionou Tomaz em postagem no Twitter na manhã dessa quinta-feira (25). O post foi amplamente compartilhado nas redes. No vídeo, Karol Conká estava conversando com o cantor sertanejo Rodolffo e diz: “Tenho um psicológico bom para lidar, mas as pessoas têm o direito de julgar”.

O que a ex-participante do BBB fumava, no entanto, era um cigarro de palha. O produto brasileiro é típico de Minas Gerais e o nome varia entre as regiões do estado, sendo chamado também de “paieiro” ou paiol. Os estados de Minas, São Paulo e Goiás juntos somam aproximadamente 75% do consumo de palheiro.

O reality show não proíbe os participantes de fumarem durante a participação no programa. Apesar de alguns internautas terem percebido a confusão, outros seguidores do paraibano acreditaram na narrativa do assessor. “Isso não é um crime? Não tem como tomar uma providência sobre isso”, perguntou um usuário do Twitter.

Já outro foi ainda além. “Combinado com a produção! Veja a olhadinha dela para o local onde está a câmera!! Propaganda subliminar para os traficantes”, teorizou.

Um internauta percebeu a mensagem enganosa e disparou: “Você gosta de uma Fake News né, assessor. Isso é cigarro comum. Pouco trabalho aí no Palácio?”.

O assessor especial do presidente foi apontado, no ano passado, como parte de um esquema de “fake news” nas redes que favoreceriam Jair Bolsonaro (sem partido). Tercio é assinalado como o líder do chamado “gabinete do ódio”, termo que se refere a um grupo dentro do Palácio do Planalto que supostamente dissemina mensagens difamatórias contra adversários de Bolsonaro e cuida de suas redes sociais.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários