Estudo descobre que escritor tem superanticorpos contra a Covid-19 e é imune a variantes

escritor-john-hollis
Escritor estadunidense possui superanticorpos que eliminam rapidamente o coronavírus (Reprodução/@jornalistavitor/Twitter)

Um escritor estadunidense de 54 anos, John Hollis, descobriu por meio de estudos científicos que possui superanticorpos contra o novo coronavírus. Em abril do ano passado, o amigo do escritor que mora com ele contraiu a Covid-19, e John ficou esperando pelos sintomas – que nunca aconteceram. Meses depois, a partir da análise de um médico, o escritor, que também é gerente de comunicações na Universidade Geroge Mason em Fairfax, descobriu que foi contaminado pelo Sars-Cov-2, mas que o corpo dele possui imunidade avançada à doença.

Segundo a BBC, o amigo do escritor que estava com Covid-19 em abril do ano passado ficou em estado grave, e por isso John Hollis pensou que iria acabar contaminado também. “Foram duas semanas muito assustadoras”, relatou. “Por duas semanas eu esperei a doença me atingir, mas nunca aconteceu”. Com isso, o gerente de comunicações concluiu que teve sorte e, por esse motivo, não ficou contaminado pelo coronavírus. Em julho do ano passado, durante uma conversa com o médico Lance Liotta, professor na Universidade George Mason, o escritor contou que morava com uma pessoa que ficou gravemente doente de Covid-19.

A partir de então, o médico, que é pesquisador em formas de combater o novo coronavírus, convidou John para voluntariar-se em um estudo científico na universidade onde ambos trabalham. O escritor acabou descobrindo que havia contraído a Covid-19 e, além disso, que possui superanticorpos que o fazem ser imune à doença. Isso significa que o Sars-Cov-2 entra no corpo do gerente de comunicações, mas não é capaz de fazê-lo ficar doente. “Nós coletamos o sangue de Hollis em diferentes momentos, e agora é uma mina de ouro para estudarmos diferentes formas de atacar o vírus”, disse Liotta.

Superanticorpos eliminam o vírus de forma rápida

De acordo com os resultados dos estudos, os anticorpos de John Hollis atacam diversas partes do coronavírus e o eliminam de forma rápida. Além disso, por serem muito potentes, o escritor é imune até mesmo às novas variantes do Sars-Cov-2. O médico afirmou que é possível “diluir os anticorpos dele em 1 para mil e eles ainda matariam 99% dos vírus”. Os pesquisadores estão analisando os anticorpos do gerente de comunicaçãoes e de mais algumas pessoas que são como ele, com o intuito de melhorar as vacinas contra a Covid-19. “Eu sei que não sou a única pessoa que tem anticorpos assim, sou apenas uma das poucas pessoas que foram encontradas”, comentou John.

Para esclarecer, o médico disse que, na maior parte das pessoas, os anticorpos que se desenvolvem para combater o coronavírus atacam as proteínas das espículas dele. Tais espículas são a superfície do vírus que possuem formato de espinho, que ajudam a infectar as células dos seres humanos com facilidade. No entanto, o paciente, quando não imunizado, ao entrar em contato com o material viral pela primeira, vez não consegue produzir os anticorpos a tempo. Com isso, o vírus tem a oportunidade de se espalhar rapidamente.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários