Campanha contra a fome distribui cestas básicas em BH nesta semana

Distribuição de cestas básicas
Iniciativa faz parte da campanha Tem Gente Com Fome, que chega a seis estados do país (Reprodução/@temgentecomfomeoficial/Instagram)

Uma iniciativa organizada a nível nacional busca distribuir cestas básicas para a população periférica em seis estados do país. Em Belo Horizonte, a ação será focada nos bairros Morro das Pedras e Taquaril, onde, a partir deste domingo (28), cerca de 500 cestas serão entregues às comunidades. O projeto faz parte da campanha Tem Gente com Fome, organizada por movimentos como a Coalizão Negra por Direitos, a Unegro (União de Negros pela Igualdade), a Anistia Internacional, Redes da Maré e mais.

Às 10h30 da manhã do domingo, a distribuição de vouchers que poderão ser trocados por cestas básicas se concentrará no Beco Lidiane, 190, na Vila São Jorge, bairro Morro das Pedras (beco na rua das Pedras, em frente ao número 171). Já às 15h, os voluntários estarão na Casa do HipHop, na rua Joaquim Teixeira dos anjos, número 140, no bairro Taquaril.

De acordo com o membro da Coalização Negra por Direitos e presidente da Unegro, Alexandre Braga, 200 vouchers serão distribuídos para as comunidades de BH amanhã. Ao longo da semana, os outros 300 serão disponibilizados. Doações para a campanha Tem Gente com Fome podem ser feitas por meio deste site, e os interessados em participar do projeto como voluntários – desde que não sejam do grupo de risco da Covid-19 – também podem se inscrever no link.

Além de Minas Gerais, as doações serão feitas a comunidades na Bahia, em Recife, no Pará, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O projeto fez um mapeamento de pessoas em situação de vulnerabilidade no país em meio à pandemia, e 222.895 famílias serão beneficiadas pela campanha. O valor equivalente aos produtos que as famílias receberão é de R$ 200.

Reivindicações

Além de distribuir as cestas básicas, a iniciativa também reivindica que as pessoas em situação de vulnerabilidade recebam auxílio financeiro durante a pandemia, já que muitas perderam o emprego ou não podem trabalhar em meio às restrições impostas para conter o avanço da doença no país. “Em dezembro chegou a última parcela do auxílio emergencial e a população entrou numa fase aguda de desemprego, com tudo fechado”, explica Alexandre Braga.

“Tem a promessa do novo auxílio, mas cobramos também que as prefeituras organizem seus orçamentos para complementar as rendas dessas pessoas que não estão trabalhando. Vários são autônomos, camelôs, têm pequenos negócios, e está tudo proibido agora. Sem algum tipo de auxílio, isso anulou a fonte de renda de muita gente”, completa o presidente da Unegro.

De acordo com ele, cerca de R$ 4 milhões já foram arrecadados para a campanha e a ideia é continuar fazendo o mapeamento de pessoas em situação de vulnerabilidade para que, todo mês, a ajuda seja distribuída. A iniciativa também pretende se expandir para outros estados do Brasil. “Também queremos conversar com artistas, personalidades de BH para que eles ajudem a puxar uma campanha de doação”, finaliza.

Edição: Thiago Ricci
Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

Comentários