Mulher morre entalada ao vasculhar depósito de doações de roupa

depósito-de-roupas-caridade
Mulher foi encontrada morta no depósito de roupas destinadas à caridade (Reprodução/Twitter)

Uma mulher de 43 anos morreu entalada dentro de um depósito de roupas para a caridade em Gold Coast, cidade da Austrália, nessa segunda-feira (5). O corpo da vítima ficou preso numa espécie de rampa da caixa de doações de um shopping center local. Uma pessoa que estava indo deixar doações deparou-se com o corpo da mulher na caixa no período da manhã de segunda-feira. A polícia acredita que a vítima não era uma desabrigada. As informações são do 7 News.

Os detetives e investigadores forenses passaram o dia tirando fotos da cena e examinando a caminhonete da mulher, que encontrava-se aberta e estacionada ao lado do depósito de roupas. Segundo um repórter local, a polícia tratou a morte como não suspeita, acreditando que a mulher poderia ter ficado presa dentro da caixa de doações.

Mulher estava procurando abrigo

Nas redes sociais, especulava-se que a vítima não tinha casa e estava tentando abrigar-se no depósito de roupas. Entretanto, a polícia confirmou que a mulher dirigiu até o shopping, e que ela não tratava-se de uma pessoa em situação de rua, por não encontrarem nada que sugerisse que ela fosse. As autoridades acreditam que a mulher estava tentando vasculhar a caixa de doações e acabou ficando com metade do corpo para dentro da estrutura quando a tampa desceu e a prendeu. Há relatos de que a equipe dos bombeiros tenha tido que cortar a caixa com ferramentas elétricas.

Um internauta chegou a comentar: “Estou tão provocado por isso – não importa as circunstâncias – isso é um absoluto [absurdo] para mim. Uma mulher está morta. Em uma caixa de caridade. Se você não entende o problema sistêmico que temos. É isso aí. Desculpe, soluçando”.

Apesar das especulações, a polícia ainda não tem certeza do motivo de a mulher ter tentado entrar no depósito de roupas. Os paramédicos locais chegaram a ir até o local, porém, a vítima já estava sem vida quando chegaram.

Edição: Vitor Fernandes
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários