Bolsonaro xinga e ameaça ‘sair na porrada’ com Randolfe Rodrigues em ligação gravada por Kajuru

jair-bolsonaro
Novo trecho de conversa com Kajuru foi divulgado pelo próprio senador (Carolina Antunes/Agência Brasil)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania) divulgou o restante da conversa que teve com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na manhã desta segunda-feira (12), em entrevista para a Rádio Bandeirantes. No áudio, Bolsonaro xinga e ameaça agredir o senador Randolfe Rodrigues (Rede Sustentabilidade), autor do requerimento para instalação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre o combate à pandemia da Covid-19. A conversa girava em torno da investigação, a qual Bolsonaro tem demonstrado insatisfação.

Na entrevista, o jornalista Datena pede a Jorge Kajuru para mostrar o restante da gravação da conversa entre ele e Jair Bolsonaro. O senador prontamente aperta o play e, na ligação, diz ao presidente que se a CPI fosse “revanchista” que não participaria dela. Bolsonaro respondeu: “Mas se você não participa, daí a canalhada lá do Randolfe Rodrigues vai participar. E vai começar a encher o saco. Daí, vou ter que sair na porrada com um bosta desse”. Confira:

Randolfe diz que violência é ‘saída para covardes’

Randolfe Rodrigues, por sua vez, foi ao Twitter se pronunciar sobre as declarações de Jair Bolsonaro. Segundo o senador, Bolsonaro querer resolver a questão por meio da violência é uma “saída para os covardes que têm muito a esconder”. Ele acrescentou: “Não irão nos intimidar! Especialmente porque sabemos que a fraqueza desse governo está em todos os âmbitos. Nossa única briga será pelo povo! Pela vacina e por comida na mesa!”.

O que a CPI quer investigar

O político também fez uma série esclarecendo 10 pontos que a CPI da pandemia gostaria de apurar sobre a atuação do Governo Federal. “Do que Bolsonaro tem medo?”, questionou Randolfe. Segundo ele, a Comissão Parlamentar de Inquérito deseja investigar os seguintes pontos:

1. O atraso na compra de vacinas da Pfizer.

2. Falha grosseira na aquisição de seringas, insumos, equipamentos e na estruturação do Sistema de Saúde.

3. Gasto exacerbado com medicamentos sem eficácia comprovada.

4. Aglomerações causadas pelo presidente e sua comitiva em todo o país.

5. Em meio à pandemia, superfatura nas compras do Governo.

6. Omissão diante das mortes por falta de oxigênio em Manaus.

7. Negligência diante da escassez do kit intubação.

8. Incompetência na distribuição de vacinas, especialmente em relação à logística.

9. Negacionismo, discurso de sabotagem às medidas de isolamento.

10. O não uso e o incentivo ao não uso de máscaras.

11. Tentativa de maquiar número de mortes por COVID.

12. Falta de transparência na divulgação de casos.

13. Ataques aos poderes.

14. Desgaste das relações internacionais que nos garantiriam melhor negociação de vacinas.

“Será que Bolsonaro tem medo da resposta de algum desses questionamentos? O povo está morrendo, e não temos tempo pra brincar de poder público. Precisamos salvar vidas, vacinar, colocar comida na mesa e estancar imediatamente essa crise!”, finalizou Randolfe Rodrigues. Confira a série de tuítes:

Bolsonaro teme relatório da CPI

A conversa em questão, que aconteceu entre Jair Bolsonaro e Kajuru, foi divulgada na noite de ontem (11) pelo próprio senador em suas redes sociais. No áudio, o presidente teme o “relatório sacana” da CPI e diz que a atuação dos governadores e prefeitos frente à pandemia também deve entrar na investigação. “Se não mudar a amplitude, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello, ouvir gente nossa, para fazer um relatório sacana. Tem que fazer do limão uma limonada. Por enquanto, é um limão que tá aí. Dá para ser uma limonada”, disse Bolsonaro.

“A CPI hoje é para investigar omissões do presidente Jair Bolsonaro, ponto final. Quer fazer uma investigação completa? Se não mudar o objetivo da CPI, ela vai vir só pra cima de mim. O que tem que fazer para ser uma CPI que realmente seja útil para o Brasil? Mudar a amplitude dela. Bota governadores e prefeitos. Presidente da República, governadores e prefeitos”, apontou o presidente da república.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários