Mais de 1,5 milhão de brasileiros estão com a 2ª dose da vacina atrasada

idoso vacinando contra covid-19 no rio de janeiro
A eficácia da vacina só é atingida quando tomadas as duas doses (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde divulgou nessa terça-feira (13) levantamento apontando que 1,5 milhão de brasileiros não tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 no prazo estabelecido pelos laboratórios. A orientação, para quem perdeu o prazo, é que procure o quanto antes os postos de vacinação para garantir a completa eficácia do imunizante.

O apelo foi feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e pela coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fantinato, durante uma conversa com jornalistas na sede do ministério. “Destaco aqui que, mesmo que vença o prazo, a recomendação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) é que elas completem o esquema. Então, quem atrasou e não conseguiu ir com 28 dias de intervalo da Coronavac, ou aquelas que não conseguiram ir com 84 dias da vacina AstraZeneca, devem comparecer para completar o esquema”, enfatizou a coordenadora.

O intervalo, como reforçado pela coordenadora, varia de acordo com o imunizante aplicado. No caso da CoronaVac, da Sinovac e Instituto Butantan, o tempo entre a primeira e a segunda dose é de 14 a 28 dias. Já a AstraZeneca, da Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz, o período de espera é de aproximadamente três meses.

‘Previlégio’

De acordo com o Ministério da Saúde, o estado com mais pessoas – em número absoluto – em atraso é São Paulo (343.925), seguido da Bahia (148.877), Rio de Janeiro (143.015), Rio Grande do Sul (123.514), Minas Gerais (89.122) e Paraná (71.857).

Em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, Antônio Ângelo, 72 anos, tomou, nessa terça, a segunda dose da vacina contra a Covid-19 – e deixou um recado a todos que ainda não se imunizaram. “Nós, como seres humanos, temos a obrigação de tomar essa vacina. Quem pode tomar, deve fazer sua parte para se proteger e proteger aqueles que não podem. Temos o privilégio de fazer parte desse grupo que vai tomar a vacina, quantas vidas não chegaram até aqui”, disse emocionado.

A Prefeitura de Contagem divulgou o calendário de vacinação da segunda dose da Coronavac até a penúltima semana de abril (veja aqui). Informações sobre a segunda dose em Belo Horizonte estão disponíveis no portal da prefeitura.

Para garantir que as mais de 1,5 milhão de pessoas estejam completamente imunizadas, o Ministério da Saúde, em parceria com Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), vai orientar a estratégia de busca ativa por essas pessoas, a fim de que elas completem o esquema vacinal, garantindo a eficácia completa do imunizante.

Qual o risco?

Todas as vacinas contra a Covid-19 utilizadas até agora no Brasil necessitam de duas doses para conferir uma taxa de proteção aceitável. Isso foi concluído nos estudos clínicos, que envolveram dezenas de milhares de voluntários e serviram para determinar a segurança e a eficácia dos imunizantes. Portanto, se alguém tomar apenas a primeira dose de CoronaVac ou AstraZeneca e se esquecer da segunda, não tem garantia de proteção contra o coronavírus.

Estevão Urbano, médico infectologista, presidente da Sociedade Mineira de Infectologia e membro Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da PBH (Prefeitura de Belo Horizonte), alerta que a eficácia sem a segundo dose não é garantida. “Nós não sabemos se a eficácia será a mesma do que aquela que foi testada nos estudos, que tem um prazo estabelecido”, esclarece o médico.

O que fazer?

Mesmo assim, quem passou do prazo não vai iniciar todo o processo de vacinação novamente. “Se a pessoa se atrasar, ela não vai começar do zero. Vai fazer a segunda dose, mas não há garantia da mesma eficácia com o esquema que foi testado no estudo”, pontua. Desta forma, em todo caso, vale seguir a recomendação do Ministério da Saúde e visitar o posto de vacinação mais próximo de sua casa o quanto antes para completar a proteção contra a Covid-19.

Com Ministério da Saúde e Prefeitura de Contagem

Edição: Thiago Ricci

Comentários