Comitê de Covid da PBH discute retomada de aulas presenciais no ensino médio

sala de aula
Aulas presenciais no ensino médio poderão ser retomadas (Amanda Dias/BHAZ)

A volta às aulas presencias no ensino médio em Belo Horizonte será tema de um encontro do Comitê de Enfrentamento à Covid-19, na tarde desta quarta-feira (14). A reunião será realizada na prefeitura da capital mineira. O fato de indicadores de monitoramento terem voltado ao nível de alerta preocupa um dos integrantes do grupo, que foi entrevistado pelo BHAZ. Apesar disso, as expectativas são de melhoras.

A PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) utiliza o MR (Matriciamento de Risco) como critério para abertura e fechamento das escolas do município. Conforme o Boletim Epidemiológico e Assistencial de ontem (13), o índice está em 72% – o que permite o retorno às aulas para crianças até 5 anos e 8 meses e até 12 anos.

O MR é medido, conforme informado pela prefeitura, “pela incidência de Covid-19 a cada 100 mil habitantes e sua tendência, a taxa de mortalidade (que implica na pressão sobre o sistema de saúde) e sua tendência”. Veja a relação de percentual e as recomendações para cada limite de percentual.

Limite do percentualRecomendações
Abaixo de 50%Fechamento de todas as escolas, permissão somente para aulas on-line (virtuais)
De 50% até 70%Retorno às aulas presenciais somente para crianças até 5 anos e 8 meses
De 71% até 80%Retorno às aulas presenciais somente para crianças até 5 anos e 8 meses e para crianças até 12 anos
De 81% até 90%Retorno às aulas presenciais somente para crianças até 5 anos e 8 meses, crianças até 12 anos e adolescente até 18 anos
De 91% até 100%Retorno às aulas presenciais, sem restrição, para todas as escolas

Preocupação

Belo Horizonte voltou a ter todos os três indicadores da pandemia (RT, ocupações de UTI e enfermaria) no nível de alerta. Isso, segundo o infectologista Unaí Tupinambás, poderá afetar a volta às aulas presenciais do ensino médio, mas ele se mostra esperançoso quanto aos números.

“Nossa expectativa é de que os indicadores melhorem. Estamos avançando na vacinação. O único grande problema é a variante delta. Os números indicam redução de casos, diagnósticos de síndrome respiratória e gripal, temos percebido redução na internação hospitalar e isso é por conta da vacina”.

A variante citada pelo integrante do comitê requer observação e análise. “É uma torcida para que ela não se espalhe em nosso meio. Se os números estiverem adequado, queremos avançar na flexibilização para o ensino médio. Vai depender do cenário de agosto”, disse.

O encontro entre os membros do comitê está previsto para às 16h.

Edição: Roberth Costa
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários