Decreto libera estudos sobre privatização de UBS e gera revolta

unidade de saúde do sus
Opositores consideram que a decisão é o “primeiro passo” para a privatização do SUS (Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Um decreto que permite a realização de estudos para a inclusão das UBS (Unidades Básicas de Saúde) no programa de concessões e privatizações do governo federal, o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), gerou revolta nas redes sociais, levando a hashtag #DefendaOSUS ao primeiro lugar entre os assuntos mais comentado no Twitter na tarde desta quarta-feira (28). O documento, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi publicado ontem Diário Oficial da União.

O objetivo, segundo o governo, é possibilitar a realização de estudos e a avaliação de parcerias com a iniciativa privada para “a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde dos estados, do Distrito Federal e dos municípios”. A partir desses estudos serão estruturados projetos-pilotos, em seleção estabelecida pela Secretaria Especial do PPI, do Ministério da Economia.

Os estudos do PPI são elaborados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Em comunicado, a secretária Especial do PPI, Martha Seillier, explicou que a medida visa ampliar as parcerias no setor de saúde. “Sabemos do desafio de levar mais infraestrutura e serviços de qualidade a diversos municípios do Brasil e acreditamos que o modelo de PPPs [parcerias público-privadas] será chave para alcançarmos os resultados que a população tanto merece”, destacou.

‘#DefendaOSUS’

Nas redes sociais, a decisão do governo de dar abertura à realização de possíveis parcerias público-privadas nas UBS – postos de saúde ligados ao SUS (Sistema Único de Saúde) – gerou revolta nos usuários. Alguns internautas e políticos defendem que o estudo para a inclusão das unidades de saúde no PPI é o “primeiro passo” para uma privatização total do SUS.

“Bolsonaro inseriu via decreto as UBS (Unidades Básicas de Saúde) no Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República – PPI p/ estudar alternativas de parcerias c/ a iniciativa privada. É um primeiro passo rumo à privatização da gestão da atenção básica!”, publicou no Twitter o senador Randolfe Rodrigues (Rede Sustentabilidade), líder da oposição ao governo Bolsonaro no Senado.

O CNS (Conselho Nacional de Saúde) também se posicionou contra o decreto. “Estamos encaminhando para a nossa Câmara Técnica de Atenção Básica para fazermos uma avaliação mais aprofundada e tomarmos medidas cabíveis. Neste momento, precisamos fortalecer o Sistema Único de Saúde, que tem salvado vidas. Estamos nos posicionando contra qualquer tipo de privatização, retirada de direitos e fragilização do SUS”, declarou o presidente do conselho, Fernando Pigatto, em vídeo publicado nas redes sociais.

Com Agência Brasil

Edição: Roberth Costa
Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

OLHO NA DICA PARA ECONOMIZAR

Na sede do BHAZ, economizamos todos os meses na conta de energia por meio de uma operação regulamentada pela ANEEL e ainda desconhecida por muitos consumidores. E o melhor: não tivemos nenhum custo extra para ter acesso a esse desconto. Por isso, damos esta dica para quem mora em qualquer cidade de Minas Gerais.

Sua conta de luz pode ficar até 15% mais barata com a Metha Energia. Faça agora seu cadastro, é 100% DIGITAL e GRATUITO. Clique no botão abaixo e simule direto seu desconto mensal. Caso queira saber mais sobre a tecnologia, leia este conteúdo que explica em detalhes a operação.

Comentários