ELA: Cerveja artesanal feita exclusivamente por mulheres chega a BH

Reprodução/Instagram

Assim como o futebol, quem nunca ouviu falar que cerveja é coisa de homem? Inclusive é essa a mensagem que marcas famosas da bebida costumam passar em seus comerciais. No entanto, essa afirmativa – tão comumente dita – parece não ter mais espaço no mercado cervejeiro. As mulheres, além de mostrar que entendem da degustação, agora também estão ocupando o seu espaço como produtoras.

O coletivo ELA (Empoderar, Libertar, Agir) é o responsável pela iniciativa. O grupo é composto por mestres cervejeiras, sommelieres, professoras, juízas de concursos, apreciadoras, empresárias e especialistas de vários estados do Brasil. A união dessas mulheres aconteceu por um propósito em comum: desmistificar o machismo no mercado cervejeiro – seja em rótulos, campanhas publicitárias, produção da bebida ou ainda no tratamento que muitas mulheres recebem como consumidoras.

A mobilização teve início no mês de maio, logo após a divulgação de um novo rótulo de cerveja que explorava negativamente a imagem de uma mulher. “Essa história de peito e bunda na cerveja já deu, né? Estamos no mundo da cerveja tanto quanto eles, trabalhamos tanto quanto eles e precisamos de respeito”, explica a gerente comercial e de marketing da Cervejaria Dádiva e uma das idealizadoras do projeto, a sommelière Aline Smaniotto Tiene.

Para celebrar o coletivo, elas resolveram produzir um rótulo exclusivo. Juntas, definiram estilo, elaboraram a receita, nome, identidade visual e foram para a fábrica. A Cervejaria Dádiva, de Várzea Paulista (SP), cedeu o espaço e os equipamentos, mas foram elas que fizeram todo o trabalho. “Fizemos o CIP (desinfecção) no tanque, moemos e arriamos o malte, enfim produzimos a cerveja com as nossas mãos e temos muito orgulho disso”, afirma Aline.

Lançamento em São Paulo (Divulgação)
Lançamento em São Paulo (Divulgação)

ELA, a cerveja

A cerveja é do tipo American Barley Wine, de amargor mais acentuado que a versão de origem. A escolha foi feita para fugir totalmente do estereótipo de que mulher gosta apenas de cerveja leve e doce. A bebida tem 10% de graduação alcoólica, leva maltes tostados e lúpulos americanos de aroma e amargor.

O lançamento em Belo Horizonte contará com a presença de Jaqueline Oliveira e Priscilla Colares, participantes do grupo, com a tatuadora Carol Vitter, conhecida por fazer tatuagens empoderadoras e minimalistas e também com os brigadeiros de cerveja da Sou Mais Sabor.

Reprodução/Facebook/ELA
Reprodução/Facebook/ELA

O lucro obtido com a comercialização da bebida será doado a entidades que acolhem mulheres vítimas de violência. A fidelização da proposta está presente até mesmo na embalagem da cerveja. “Foi feita uma embalagem de papel que deve ser rasgada para rasgarmos os preconceitos”, conta Jaqueline.

O lançamento acontece no dia 7 de setembro, à partir das 11h, no BH Cervejas (Conselheiro Lafaiete, 510, Sagrada Família).

Jéssica Munhoz

Jessica Munhoz é redatora do Portal Bhaz e responsável pela seção Cultura de Rua.