Jovem Dionísio fala sobre ‘Tô bem’, novo viral da banda: ‘Tem que ter coragem’

Faixa do disco lançado em maio deste ano agita trend nas redes sociais (Divulgação/Jovem Dionísio)

Até os mais desatentos repararam: ultimamente, tem muita gente arrumada e bonitinha viralizando nas redes sociais. E não, nós não estamos em época de Fashion Week ou Met Gala. Na verdade, a onda de looks descolados vem embalada pela nova trend da internet, que tem como trilha sonora a faixa “Tô bem”, do novo disco da Jovem Dionísio.

Diversos famosos já entraram na brincadeira tocada pela banda curitibana. Eliana, Flávia Alessandra, Fred Bruno e companhia limitada postaram suas versões do viral, incentivando os seguidores a participarem com mais looks e dancinhas. O objetivo é mostrar quem tá mesmo bem vestido, ao som de um grito quase em baby talk: “Cê reparou que eu me arrumei? Ah, tô bonitinho!”.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Eliana Michaelichen (@eliana)

Depois de cair nas graças do grande público, já era. É hit. Mais um pra coleção da Jovem Dionísio, que em 2022 viu a homenagem ao amigo paranaense Pedrinho deslanchar nas paradas musicais brasileiras. Entre danças no Tiktok e tweets de “não aguento mais”, a internet brasileira permaneceu, por certo tempo, monotemática: “Acorda, Pedrinho, que hoje tem campeonato”.

“Até a entrada da pandemia, a gente só tocava em Curitiba pra amigos e amigos de amigos. A gente até já tinha um certo reconhecimento, mas ficava restrito à cidade”, relembra Ber Pasquali, vocalista da banda. “Quando começou a pandemia e a gente lançou ‘Acorda, Pedrinho’, não pareceu tão diferente do que era antes, porque a gente não tinha vivido a estrada”.

Mas era, sim, bem diferente. Aliás, seria, dali pra frente. “A gente sabia que os números (de reproduções das músicas) tinham mudado dentro das plataformas, mas não sabia o que isso queria dizer, ou como isso refletiria nos shows, nem se a gente poderia finalmente tocar fora de Curitiba”, destaca Ber. “Então tudo fez sentido quando os shows recomeçaram, saindo da pandemia. Nisso, o primeiro disco (Acorda, Pedrinho) já tava pronto”.

Hoje eu tenho mais

De acordo com Gabriel Dunajski Mendes, o Mendão, baterista do grupo, a “fase Pedrinho” foi muito bem aproveitada. “A gente gosta de viver o que a gente vive e tem cada vez mais certeza de que estamos fazendo o certo”, diz. E dessa certeza veio a ideia de partir para um novo álbum. Também dela, o título do trabalho: “Ontem Eu Tinha Certeza (Hoje Eu Tenho Mais)”.

Lançado em 10 de maio deste ano, o disco traz um balaio de referências para os integrantes da Jovem. “De The Pharcyde a Turnstile”, segundo Ber, sem falar nas pitadas de Arctic Monkeys e Los Hermanos, que moldaram a banda ainda no começo da jornada.

Para Mendão, lidar com a expectativa do segundo disco após o sucesso do trabalho de estreia foi mais difícil do que o esperado. “A gente até demorou mais pra produzir o primeiro, porque foi nele que a gente descobriu tudo. Descobrimos o processo de produção de um álbum, o que é ter uma música estourada e tal, mas aí teve um momento de parar e refletir. Nesse processo de refletir, vimos que era hora de começar tudo de novo e não dava pra botar uma perna na frente da outra”, revela.

(Divulgação)

Embora soe comercial, com faixas curtas e beats sintéticos, Ber celebra o sucesso independente do novo trabalho. “Eu vejo muitas carreiras sendo criadas e não é o nosso caso. As nossas coisas foram acontecendo sem a gente ter uma gravadora, sem um investidor, sem uma figura acima da gente falando ‘galera, é assim que tem que fazer’. Nós fomos nossos próprios chefes”, afirma.

Sucesso e BH

Com a virada orgânica, como proposto por Ber, ganha ainda mais cobiça a resposta da questão: como fazer uma música de sucesso? Mendão responde. “Esses dias eu vi um vídeo falando sobre o sucesso como uma sucessão de coisas e acho que é bem isso. É a sucessão do que você tá fazendo, né? Querendo ou não, a Jovem Dionísio tem isso de continuar fazendo o que faz porque gosta”.

Ber acompanha o amigo e revela que o título do novo disco também carrega um pouco dessa mensagem. “A gente teve coragem pra fazer o primeiro disco. Todo artista, toda banda tem que ter muita coragem pra lançar qualquer coisa. Você tem que se expor muito, e tem que ter certeza do que você tá fazendo. Quando a gente pegou o segundo álbum e viu como soava, o nome parecia condizer com a ideia que a gente carregava”, diz.

Com o lançamento, a Jovem Dionísio se prepara para cair na estrada novamente. “Cadeiraria Tour” foi o nome escolhido para a turnê, que passa por Belo Horizonte em 4 de outubro, no Mercado Distrital do Cruzeiro. Os ingressos já estão à venda pela Meaple, com meia-entrada a R$ 60 e inteira a R$ 120.

“Dessa vez a gente vai pra BH com um show muito mais foda, mais interações e mais vontade”, antecipa Ber. “Esse tempo que a gente ficou sem fazer show, preparando o disco, deu pra acumular uma vontade que a gente vai chegar no palco e nossa… Vou rasgar minha camiseta e sair pelado do palco, de tanta vontade de rever a galera”, ameaça e ri.

Então se liga!

Jovem Dionísio em BH
Local: Mercado do Cruzeiro
Data: 4 de outubro
Horário: das 20h às 23h30
Ingressos: a partir de R$ 60 no Meaple

Thiago Cândido[email protected]

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais. Colunista no programa Agenda da Rede Minas de Televisão. Estagiário do BHAZ desde setembro de 2023.

SIGA O BHAZ NO INSTAGRAM!

O BHAZ está com uma conta nova no Instagram.

Vem seguir a gente e saber tudo o que rola em BH!