Nadador do Minas Tênis Clube conquista medalha de bronze para o Brasil

gaúcho Fernando Scheffer 23 anos
Atleta está em BH desde 2018 (Reprodução/@f_scheffer/Instagram)

A quarta medalha do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio veio do Minas Tênis Clube, tradicional agremiação esportiva da capital mineira. O gaúcho Fernando Scheffer, 23, que está na equipe minastenista desde 2018, levou o bronze nos 200m livre, na noite de ontem (26). Além da conquista da medalha, o nadador ainda bateu o próprio recorde sul-americano.

Após o triunfo, o minastenista agradeceu a todos que contribuíram para a conquista do pódio. “Quero agradecer a todos que passaram pela minha carreira. Comecei em uma academia em Canoas [RS], depois fui chamado para nadar no Grêmio Náutico União e hoje estou no Minas Tênis Clube. Todas essas pessoas que passaram pela minha vida contribuíram de certa forma para conquistar esse bronze. É até difícil falar”, disse.

Os agradecimentos se estenderam aos torcedores brasileiros. “O sentimento que me preenche agora é gratidão, estou muito grato. Teve muita gente que esteve comigo em todo esse tempo, todos os treinadores, preparadores, fisioterapeutas, médicos, colegas de treino, adversários, família, amigos, todo mundo que torceu e mandou boas energias, que ficou acordado até tarde para torcer. Todo mundo nadou comigo, a medalha é de todos”, comemorou.

Fernando ainda compartilhou algumas dicas de performance. “Durante toda a preparação a gente sempre sonha com o máximo, a gente sonha com o pódio e treina para isso, mas na hora em que chega a competição é importante tentar zerar toda essa cobrança e pensar somente no que podemos controlar, que é a nossa performance e o jeito que encaramos a prova. Só pensava em fazer a minha melhor prova e a medalha veio como consequência. Era uma prova em aberto, não tinha favorito, e o meu melhor foi suficiente para subir no pódio”, afirmou.  

Campanha

Nas eliminatórias, o atleta nadou em 1m45s05 e bateu o próprio recorde sul-americano, que era de 1m45s41. Já na semifinal, fez 1m45s71 e garantiu a última vaga na final. Na disputa pelo pódio, o nadador cresceu na segunda metade da prova e acelerou para conquistar o bronze, além de superar, mais uma vez, o próprio recorde, terminando a prova em 1m44s66. 

Fernando dividiu o pódio com os britânicos Tom Dean (1m44s22) e Duncan Scott (1m44s26), primeiro e segundo colocados, respectivamente.

Histórico do atleta

Fernando Scheffer é natural de Canoas, no Rio Grande do Sul, e está em Belo Horizonte desde 2018. O nadador é estreante nas Olimpíadas, mas já participou de outras competições internacionais, como os Jogos Pan-americanos de Lima, no Peru, em 2019, onde conquistou o ouro nos 200m e no 4x200m livre, e a prata nos 400m livre. O gaúcho também já tem o título de campeão e recordista mundial do 4x200m livre, no Mundial de Piscina Curta (25m) de Hangzhou, na China, em 2018, junto com Luiz Altamir, Leonardo Santos e Breno Correia.

História do clube

O tradicional clube mineiro já coleciona conquistas no maior evento esportivo do mundo. Na natação, além de Fernando Scheffer, Marcus Mattioli e Gustavo Borges já conquistaram uma medalha nas Olimpíadas. Marcus levou o bronze na edição de Moscou, na Rússia, em 1980, no revezamento 4x200m livre, enquanto Gustavo ficou em terceiro lugar em Atlanta, Estados Unidos, nos 200m livre, em 1996.

A natação minastenista está sendo representada este ano por mais atletas, salvo Fernando: Aline Rodrigues, Beatriz Dizotti, Bruno Fratus, Guilherme Costa e Vinicius Lanza, pelo Brasil; e Julia Sebastian, da Seleção Argentina. O treinador Sérgio Marques também integra a comissão técnica brasileira.

O Minas também tem representantes em mais duas modalidades: no vôlei, com Maurício Souza, no masculino, e Macrís Carneiro e Carol Gattaz, no feminino; e o atleta Caio Souza e o técnico Ricardo Yokoyama na equipe de ginástica artística; todos jogando pela Seleção Brasileira.

Base do Clube comemora vitória

Os nadadores minastenista vibraram muito com a conquista do colega. Os atletas estão em viagem para disputa do brasileiro juvenil e júnior e assistiram à prova juntos. Com os gritos “Minas”, os jovens foram à loucura. Veja vídeo:

Edição: Roberth Costa

Comentários