Belo Horizonte ganha lunetas para observação de atrativos turísticos

luneta na orla da lagoa da Pampulha
Os observadores estão distribuídos no Mirante do Mangabeiras, Mirante de Arte Urbana da rua Sapucaí e na orla da Lagoa da Pampulha (Divulgação/Belotur)

A PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) instalou dez lunetas para contemplação da paisagem urbana da cidade nesta segunda-feira (7). Os observadores estão distribuídos no Mirante do Mangabeiras, Mirante de Arte Urbana da rua Sapucaí e na orla da Lagoa da Pampulha. O projeto foi conduzido por meio da Belotur (Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte).

As lunetas vêm adesivadas com mensagens informativas sobre os atrativos turísticos que podem ser observados em cada local. Para o presidente da Belotur, Gilberto Castro, o projeto faz parte de um processo de reestruturação do turismo na capital.

“Um convite a olhar para a cidade, perceber seus detalhes urbanos e quão surpreendente é nosso horizonte. É muito importante que belo-horizontinos e turistas usem as lunetas com cuidado, preservando esse bem público disponível para a contemplação de todos”, comenta.

Os objetos são resistentes à água, vento, sol e demais adversidades causadas pelo clima. Com um sistema de observação de alta qualidade, as lentes possuem foco pré-ajustado conforme o local de instalação. Assim, os usuários não precisarão fazer nenhum tipo de regulagem, o que facilita a observação por pessoas de todas as idades, mesmo aquelas que não tenham muita habilidade no manuseio do equipamento. 

Medidas sanitárias seguem valendo

A Prefeitura de Belo Horizonte reforça que, neste momento, é preciso manter o distanciamento social de pelo menos 1,5 metro entre as pessoas, limpar as partes da luneta que possam encostar no corpo com álcool 70% gel ou líquido, higienizar as mãos com álcool em gel antes e após o uso, evitar contato físico e usar, sempre, a máscara. 

Edição: Giovanna Fávero
Larissa Reis
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários