Casa dos Cacos passa por restauração para manter viva a obra de Seu Carlos na Grande BH: ‘Singular e única’

casa dos cacos
Casa foi idealizada pelo geólogo Carlos e está sendo restaurada (Janine Moraes/PMC)

Uma casa e muitas histórias. Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, tem um imóvel tombado como patrimônio histórico. Só que engana-se quem pensa que é uma construção como outra qualquer. Trata-se da Casa dos Cacos – o nome já sugere e é bem isso: totalmente decorada com pequenos fragmentos de louça e cerâmica.

O espaço localizado no bairro Bernardo Monteiro está em obras de restauração, iniciadas em maio deste ano, e o BHAZ foi conhecer a história da edificação. A casa encanta pela beleza, mesmo diante da reforma que passa. De cara, a elefanta Fifi “recepciona” o visitante.

elefanta
Elefanta Fifi logo na chegada (Vitor Fórneas/BHAZ)

Do chão até o teto, lá estão os cacos formando belos mosaicos que encantam pessoas de todas as idades. Tudo fruto da “arquitetura orgânica” do geólogo Carlos Luís de Almeida.

“A Casa dos Cacos é muito singular e única. Trabalho de poeta e de uma vida. Começou a ser construída na década de 1960 e se estendeu por quase 30 anos. Seu Carlos tinha amor por ela”, conta Monique Pacheco, secretária de Cultura de Contagem, em entrevista ao BHAZ.

casa de cacos animais
Tudo na casa leva cacos (Vitor Fórneas/BHAZ)

O começo de tudo

O imóvel foi comprado logo depois do geólogo ter se aposentado e, inicialmente, seria um lugar para a família passar os finais de semana, já que era uma casa de campo.

“Quando o Carlos aposentou, começou a fazer mosaicos na varanda da própria casa, no bairro Carlos Prates, em Belo Horizonte. Ele fazia a decoração em um corredor. Assim que comprou o imóvel, em Contagem, passou a desenvolver o talento por lá”, revela Lúcio Honorato, assessor da Secretaria de Cultura.

casa década comprada
Registro de quando a casa foi comprada pelo Seu Carlos (PMC/Divulgação)

Carlos trazia os cacos, desembarcava na estação ferroviária e contava com a ajuda das crianças para chegar até a casa: “Dizem que ele era uma pessoa muito sociável. As pessoas iam até ele e levavam cacos. Ele ainda ia até o baixo centro e ganhava doações dos donos de lojas de louças”.

A casa foi tomando forma aos poucos, e Carlos contava com a ajuda de várias pessoas para atingir o objetivo. Tudo na casa leva cacos, do rolo de papel higiênico, da toalha do banheiro, até a televisão e o telefone.

carlos crianças
Seu Carlos contava com a ajuda das crianças para montar os mosaicos (PMC/Divulgação)

Tudo ‘espontâneo’

“A casa foi feita detalhe por detalhe. Não teve um projeto. Ela é uma arquitetura orgânica e espontânea, feita de acordo com as coisas que chegavam. Tem desde o prato dado por vizinho até louça da esposa do ex-presidente Ernesto Geisel. O Carlos tinha contatos com pessoas famosas e políticos”.

Juscelino Kubistchek é um dos políticos que já passaram pela casa e deixou até mesmo uma carta sobre a visita.

“Meu caro amigo Carlos, ao visitar a sua Casa de Cacos, quando aí passei, galvanizou-me o coração sentimental e a alma tornou-se imensamente inefável pela elevada beleza inaudita que veio estuar-me e encantar-me, deixando-me profundamente sensibilizado”, comentou o ex-presidente do Brasil.

Carlos era uma “pessoa excêntrica”, conforme define Lúcio. Isso fez com que fosse até mesmo no programa do Chacrinha. Uma vez, começou a usar uma roupa de cacos, mas teve deixá-la de lado por conta dos ferimentos que provocava, além do peso.

cozinha casa cacos
Cozinha, assim como toda a casa, é decorada com cacos (Vitor Fórneas/BHAZ)

Restauração

A Casa dos Cacos foi comprada pela Prefeitura de Contagem em 1991 e tombada como patrimônio no mesmo ano. O espaço está fechado para visitas desde 2005 devido à necessidade de reformas. Em maio deste ano, o imóvel começou a ser restaurado. A previsão de término é no primeiro semestre de 2022.

“A cidade deu a casa como perdida e pensando que ficaria na lembrança. A reforma deste patrimônio é muito esperada. Brinco que a empreiteira que pegou a obra é corajosa, porque não é apenas uma reforma. Tem que pegar caco por caco, mexer na estrutura e manter tudo da forma como era”, destaca Monique.

reforma casa
Reforma está prevista para ser concluída no primeiro semestre do ano que vem (Vitor Fórneas/BHAZ)

O projeto, além de restaurar a estrutura física do imóvel e dos elementos decorativos que compõem a casa, pretende construir, nos fundos, um anexo com um café, um espaço administrativo e um mirante que vai proporcionar uma vista panorâmica do local.

As obras de restauração estão orçadas em R$ 2,4 milhões com financiamento da Caixa Econômica Federal.

‘Memória afetiva’

“A Casa dos Cacos mexe com a memória afetiva das pessoas. É muito comum ouvir relatos de quem foi lá em excursão de escola, por exemplo. Existem múltiplas histórias na casa. A importância da obra vem pela questão afetiva e busca da identidade”, lembra Lúcio.

Durante os trabalhos de reforma foi encontrado um “cemitério de cacos” nos fundos da casa. “Encontraram uma fossa cheia de cacos usados na casa. A partir destes restos foram completadas algumas lacunas que existiam”, conta a secretária de Cultura.

casa dos cacos obra carlos
Espaço é totalmente decorado com cacos (Vitor Fórneas/BHAZ)

Com o fim das obras na Casa dos Cacos, a Prefeitura de Contagem pretende fazer com que o espaço seja ainda mais conhecido.

“O espaço é muito fantástico e queremos que o Brasil e o mundo o conheçam. Este ponto turístico tem que ser revisto e revivido pelas novas gerações. Reformar é a primeira parte do processo, depois temos que dar ‘vida’ e funcionamento”, complementa a secretária.

A Casa dos Cacos fica na rua Ignez Glanzmann de Almeida, 132, no bairro Bernardo Monteiro, em Contagem.

Edição: Giovanna Fávero
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas nos prêmios CDL (2018, 2019 e 2020), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Comentários