Estação Vilarinho ganha quatro painéis artísticos e corações em homenagem às vítimas da Covid-19

Estação Vilarinho artes
Dos quatro painéis, três estão do lado de fora da estação (Sebastião Jacinto Júnior/Divulgação)

A Estação Vilarinho está de cara nova. O local recebeu uma série de intervenções artísticas dos artistas mineiros Ash Oner, Drin Cortes, Marcus Vinicius e Fhero, em parceria com o projeto “Corações para a Cidade”, para homenagear as pessoas impactadas pela Covid-19. O projeto é uma idealização do Sesi Cultura MG e já realizou intervenções nas estações Central e Lagoinha.

“O projeto se chama ‘Corações para a Cidade’ e nasceu de uma inspiração de um memorial construído em Londres para pessoas impactadas pela Covid-19. Já em paralelo também com o desejo do Sesi Cultura de criar intervenções artísticas, de arte urbana, em BH, tentando ressignificar esse momento difícil, triste, com amor, solidariedade, com um pouquinho de esperança para as pessoas”, explicou ao BHAZ Karla Bitar, gerente de Cultura do Sesi Minas, na inauguração da Estação Lagoinha.

Mural de Marcus Vinicius e Drin Cortes (Foto: Sebastião Jacinto Júnior)

Os artistas de rua pintaram um total de quatro painéis artísticos na Vilarinho, que fica na região de Venda Nova. Em frente às escadas, dentro da estação de metrô, os passageiros podem se deslumbrar com um mural de mais de seis metros. A gravura se inspirou em fotografias do “momento chapolin” da Praia da Estação – quando os belo-horizontinos se refrescam com água na praça ao som cântico “Ei Chapolin, joga a água em mim”, de Lincon Zarbietti – e das fotos capturas por Pedro Castro em um Duelo de MCs na capital, em 2018.

Mural de Ash Oner (Foto: Sebastião Jacinto Júnior)

Do lado de fora, mais três painéis. “Todos nós temos um lado da vida; todos nós temos um lado criança; todos nós nascemos; todos nós envelhecemos; a base é a raiz; a copa é o conhecimento; a vida é o fruto; a semente gera mais vida; um ciclo de energia como um fôlego de criança. Ciclo da vida!”, escreveu Ash Oner, na rede social, sobre a arte pela qual ficou responsável.

Corações

Os artistas têm liberdade para decidirem sobre a pintura. “O artista faz o que quiser, a única orientação que a gente passa é que seja uma imagem que você olhe e te passe afeto”, explicou ao BHAZ Esther Mourão, supervisora da Galeria de Arte do Centro Cultural Sesi Minas. Os corações, em homenagem às pessoas que foram impactadas pela Covid em BH, são as únicas pinturas que estão em todas as intervenções do projeto. “Os corações praticamente abraçam a obra do artista”, complementou.

O projeto é uma parceria do Sesi Cultura MG com a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), empresa responsável pelo metrô na capital.

Mensagens dos funcionários do SESIMINAS para as pessoas que estão passando por um momento difícil (Foto: Sebastião Jacinto Júnior)
À esquerda, mural de Fhero, à direita, segundo painel de Marcus Vinicius e Drin Cortes (Foto: Sebastião Jacinto Júnior)
Edição: Giovanna Fávero

Comentários