Estudante de medicina é espancado na saída de boate em BH; motivação pode ser ciúmes de ex-namorado

Colegas fazem homenagem a estudante agredido (Reprodução/Instagram)

Um estudante universitário de 22 anos foi espancando na madrugada da quarta-feira (7) na saída de uma boate, no bairro Olhos D’água, na Zona Oeste. Henrique Figueiredo Papini de Moraes chegou a ficar em coma superficial após ser cercado e agredido por seis homens. A Polícia Civil investiga o caso e trabalha com a possibilidade do crime ter motivação passional.

O estudante da Faculdade de Medicina de Barbacena (FUNJOB) estava acompanhado por um amigo e uma garota, que teria sido o alvo da confusão. O ex-namorado dela teria chamado cinco amigos para realizar a emboscada na saída da casa noturna Hangar 677.

A polícia foi acionada quando a vítima já estava no hospital. Henrique Papini foi levado ao pronto-socorro em coma superficial, com traumatismo no crânio e na face, sangramento no ouvido e lesões no braço, cotovelo e joelho, conforme informações da polícia. Nenhum dos autores da agressão foi conduzido à delegacia.

Conhecidos do universitário afirmam que ele apresenta melhora, mas a assessoria de imprensa do Biocor se recusa a passar informações sobre o estado de saúde de pacientes.

A delegada responsável pelo caso, Sônia Maria de Miranda, da 4ª Delegacia do Barreiro já ouviu a mãe da vítima, a própria vítima e o amigo que estava com Papini no momento das agressões. A Polícia Civil emitiu intimação para interrogar o ex-namorado da jovem.

Apoio de amigos

Nas redes sociais, vários amigos prestaram apoio a Henrique e também manifestaram seu repúdio ao ato de covardia. “Que eles paguem pelo que fizeram. E que dessa vez não aceitem pagamento com dinheiro”, comentou uma amiga.

Outra usuária da rede também se mostrou inconformada com a agressão. “As pessoas estão morrendo por nada. As pessoas estão matando por nada. As pessoas estão perdendo a noção do valor de uma vida. As pessoas estão perdendo a noção da dor de uma família. As pessoas estão perdendo a noção do peso de uma cicatriz”, publicou.

A Faculdade de Medicina de Barbacena também se manifestou sobre o caso expressando seu repúdio à agressão. “Dói profundamente dentro do nosso peito receber notícias de agressões, seja ela qual for, a qualquer ser humano. Agrava ainda mais essa dor quando uma violência ocorre com uma pessoa nossa, do nosso meio e que amamos, como é o caso do nosso aluno Henrique Papini”, diz trecho do comunicado.

Jéssica Munhoz

Jessica Munhoz é redatora do Portal Bhaz e responsável pela seção Cultura de Rua.