Família denuncia agressões de Réver em aeroporto e ameaças de torcedores do Galo: ‘Vai tomar porrada’

Família denuncia Réver
Família de adolescente tem recebido ameaças após agressões de Réver em aeroporto (Arquivo pessoal)

A família que se envolveu em uma confusão com o zagueiro Réver, no Aeroporto de Confins, denuncia ter sofrido diversas agressões e ofensas por parte do jogador do Atlético. Depois da repercussão do ocorrido, a família também passou a receber dezenas de ameaças de torcedores atleticanos por meio de mensagens de texto.

De acordo com o advogado Felipe Saliba, que representa a família, o menino de 13 anos que posou para uma foto com o jogador sofreu uma luxação no dedo da mão esquerda. Já o pai dele está com um corte na boca e sofreu escoriações no joelho e no pé direito. A mãe do menino também teria sido empurrada por Réver, batendo a cabeça em uma prateleira.

Com a divulgação dos vídeos da confusão no aeroporto, ocorrida na noite dessa quinta-feira (16), a família ainda passou a receber várias mensagens com ameaças e xingamentos.

“Foi pouco, Maria, da próxima fica esperto”, “sei onde você mora”, “seu comédia, nós vai te achar”, “Réver tinha que ter te quebrado todo”, dizem algumas das mensagens de WhatsApp recebidas pelo pai do garoto.

“Aqui, seu vacilão, aqui é integrante da Galoucura. A gente vai descobrir onde você mora, a gente vai atrás de você. Fica esperto, a gente ta chegando aí, seu vacilão”, diz um homem em mensagem de voz.

Ameaças
Pai, mãe e filho passaram a receber ameaças por parte de torcedores (Arquivo pessoal)

Luxação e escoriações

Ainda segundo o advogado da família, tudo começou quando o pai viu o jogador no aeroporto e pediu para tirar uma foto. Réver teria aceitado e chamado o menino de 13 anos para posar ao lado dele. Na versão da família, o adolescente teria feito um sinal de “dois” com os dedos.

“Nessa hora, o jogador começou a torcer o dedo do menino, xingando ele de ‘vagabundo, safado’. O pai até achou que era brincadeira, mas quando viu que era sério, defendeu o filho e também foi ofendido pelo jogador”, conta Felipe Saliba ao BHAZ.

Segundo o relato da família, Réver então teria começado a agredir o homem. A esposa dele, mãe do adolescente, tentou intervir e relata ter sido empurrada pelo zagueiro, batendo a cabeça em uma prateleira.

Imagens enviadas pelo advogado mostram o raio-X da mão do garoto, que sofreu uma luxação no dedo, além das escoriações no pé do pai. Nesta sexta-feira (17), a defesa da família ainda deve fazer um pedido para exames de corpo de delito.

Ferimento
Pai do adolescente sofreu ferimentos após confusão no aeroporto (Arquivo pessoal)

Ação contra Réver e o Atlético

O advogado Felipe Saliba também adiantou que a família entrará com ação criminal e cível indenizatória contra o jogador e contra o próprio Atlético. Para ele, a resposta do clube à repercussão da confusão incentivou a onda de ameaças à família.

Por meio de publicação nas redes sociais, o Atlético afirmou estar “fechado com seu capitão”. “As agressões e insultos a ele desferidos não foram dirigidos ao atleta, mas a toda a Massa Atleticana”, diz comunicado.

O clube ressaltou que o atleta estava embarcando para curtir férias com a família, “quando foi afrontado por torcedores adversários”. “O Atlético admira a diversidade de opiniões, mas não o desrespeito. Estamos juntos, capitão! Agrediu o Réver, agrediu a Massa”, finaliza.

“Em vez de fazer uma nota propositiva, o clube ainda provocou mais insultos a eles, foi um ato irresponsável de incitação à violência. O que mais assusta a família é o nível das ameaças, estão todos muito abalados”, completa o advogado.

Entenda

A repercussão do caso começou na noite de ontem, após vídeos de uma confusão envolvendo o zagueiro Réver viralizarem. De acordo com relatos nas redes sociais, tudo teria começado após o adolescente ter pedido para tirar uma foto e feito o número seis, em alusão à goleada do Cruzeiro por 6 a 1, em 2011.

Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram o ídolo alvinegro sem camisa e sendo contido por seguranças. “Briga no aeroporto de Confins. Minha Nossa Senhora. O que que é isso meu Deus. Meu Jesus. Onde eu chego tem baixaria”, disse a pessoa responsável pela gravação.

Réver se desentendeu com a família do garoto e a discussão teve início. Os seguranças do aeroporto tiveram que conter o atleta e o retiraram do local. Ainda ontem, a família registrou boletim de ocorrência na delegacia do aeroporto.

Já hoje, o Cruzeiro também se manifestou sobre o ocorrido. “Agressão contra uma criança, quando confirmada, seja quem for o autor, seja qual for o clube da criança agredida – e obviamente mesmo que nada tenha de relação com futebol – será uma agressão e, portanto, desprezível e indefensável”, diz nota do clube.

Edição: Roberth Costa
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduanda em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários