Pesquisar
Close this search box.

‘Lutei muito, sofri muito’, diz idosa atacada por pit bull em Belo Horizonte

Por

idosa atacada pit bull bh
Idosa atacada por pit bull em BH teve ferimentos no pescoço, rosto e braços (Arquivo Pessoal/Marilene Costa)

A idosa atacada por um pit bull nesta sexta-feira (14), no bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte, relatou o trágico episódio ao BHAZ. A mulher de 62 anos sofreu vários ferimentos no rosto, pescoço e levou pontos em um dos braços.

A funcionária pública contou que estava chegando na academia, que fica na esquina da rua Mármore com a rua Ângelo Rabelo, por volta das 6h, quando se deparou com o cachorro solto.

“Eu saí do carro, encontrei com esse pit bull e corri. No que eu corro, ele me joga no chão. Eu fui lutando contra ele, lutei muito, porque ele queria o meu rosto, e eu protegi o meu rosto. O dono estava muito longe do bicho, ele estava sem focinheira”.

‘Me sinto guerreira’

A vítima relatou que o tutor do cão só conseguiu tirá-lo de cima dela quando o animal arrancou uma das mangas da blusa que usava. “Eu sofri muito, me sinto guerreira, não é qualquer pessoa que luta com um bicho daquele não”, diz.

“Meu pescoço está muito machucado. Achei que teria que fazer enxerto no meu braço direito mas só levei três pontos e o braço esquerdo está com alguns hematomas”, conta.

A mulher diz que vai acionar o tutor do animal na justiça para reparar os danos. “Eu nasci de novo. Estou machucada mas a minha dor é mais na alma. A gente fica muito revoltada, a gente é tão bacana, cumpridor dos nossos deveres e passamos por isso”, lamenta.

Mulher de 62 anos sofreu ferimentos em ataque de pit bull em BH (Arquivo pessoal)

A mulher recebeu atendimento no João XXIII e agradece pelo tratamento no hospital. “Eles conseguiram diminuir um pouco dessa minha dor, tanto emocional quanto física. Tenho que tirar o chapéu para o nosso SUS”.

‘Questão é educar humanos’, defende especialista

Ao comentar o caso em que cães da raça pitbull atacaram a escritora Roseana Murray, em abril deste ano, o presidente da Comissão de Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ), Reinaldo Veloso, avaliou que o centro da discussão não deve ser os animais, mas a responsabilização do tutor. “É importante que a sociedade saiba que não é questão de matar os animais, mas educar os humanos”.

“Os humanos é que têm que seguir a legislação vigente. O Brasil tem que deixar de ser um país de faz de conta e as pessoas precisam respeitar a legislação. A legislação é clara e diz que todos os animais de grande porte, como fila, rottweiler e pitbull, têm que andar em áreas comuns, que as pessoas frequentam, com focinheira, coleira, guia. E que seja confortável para os animais”, disse, em entrevista ao Repórter Brasil, da TV Brasil.

“A gente vê esses ataques de pitbulls constantemente por debilidade na hora de administrar e de cuidar, por parte dos próprios tutores. Ninguém nasce para o mal. Geralmente, o pitbull, quando tem essa agressividade, adquiriu do meio em que vive”, destacou Veloso. “O que a gente precisa é de um maior avanço nos recursos humanos, na fiscalização. Para evitar que isso aconteça novamente.” Leia na íntegra aqui.

Entenda o caso

A idosa foi atacada pelo pit bull na manhã desta sexta-feira, no bairro Santa Tereza. O tutor passeava com o cachorro solto e sem focinheira no momento do ataque.

À polícia, uma testemunha disse que ouviu os gritos da vítima e chegou a agredir o cachorro, na tentativa de interromper o ataque. Pessoas que passavam no local ajudaram a idosa, e um professor da academia a levou para o Hospital João XXIII.

Um morador do bairro relatou em um grupo de mensagens que ouviu uma gritaria vinda da rua no momento do ataque. “Quando eu vi, o cara do pit bull já estava descendo com ele de cabeça baixa, e a mulher estava sentada no chão, coitada, toda ensanguentada”.

De acordo com a Polícia Militar, as testemunhas disseram que o tutor pegou o animal pela guia e saiu do local sem prestar socorro. A corporação fez rastreamento no bairro Santa Tereza para encontrar o dono do cão, porém sem êxito.

Em nota, a Polícia Civil informou que está apurando “a identificação do tutor do cão e as circunstâncias em ocorreu lesão corporal sofrida” pela idosa. Até o momento, a corporação não conduziu ninguém à delegacia.

Andreza Miranda

Graduada em Jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2020. Participou de duas reportagens premiadas pela CDL/BH (2021 e 2022); de reportagem do projeto MonitorA, vencedor do Prêmio Cláudio Weber Abramo (2021); e de duas reportagens premiadas pelo Sebrae Minas (2021 e 2023).

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ