Igrejinha da Pampulha será iluminada com show de laser e novidade terá transmissão on-line

show-de-laser-igreja-da-pampulha
Igreja da Pampulha terá luzes de laser projetadas em seus traços arquitetônicos (Divulgação/Traçados Digitais)

A igrejinha de São Francisco, na Pampulha, receberá um toque diferente nesta sexta-feira (27), com o projeto “Traçados Digitais”. A iniciativa consiste em fazer um show de laser no ponto turístico, com o objetivo de cobrir o traçado arquitetônico com raios luminosos. A iluminação começará no período da noite, e contará com transmissão ao vivo pelo YouTube para aqueles que não puderem presenciar o movimento artístico-tecnológico.

O projeto já teve sua versão em Belo Horizonte no Natal de 2020, com o “Luzes da Liberdade”, que iluminou o Centro da capital mineira. Dessa vez, a proposta artística segue para o patrimônio histórico da Pampulha, a começar pela Igreja de São Francisco.

O “Traçados Digitais” é um projeto desenvolvido pelo artista digital Rafael Cançado e pela produtora cultural Danusa Carvalho. Ambos também estiveram por trás do desenvolvimento do Luzes da Liberdade. Desde então, a dupla vem fortalecendo a arte digital em Belo Horizonte, conforme conta Danusa ao BHAZ.

Arte contemporânea junto ao patrimônio cultural

“A gente esta criando subprojetos nessa área para mostrar os diferentes tipos de arte brasileira”, afirma a produtora cultural. Rafael Cançado explicou qual é a proposta do projeto: “A proposta é criar uma interação de arte contemporânea junto ao patrimônio cultural, em uma ação inédita de mapping laser no Brasil”.

Segundo o artista digital, outras intervenções artísticas acontecerão na região, sendo essa um “‘esquenta’ para nosso projeto tecnológico de iluminação natalina, que veio para ficar e inclusive ganhará novos pontos em 2021”. De acordo com a programação do Traçados Digitais, acontecerão duas lives, uma nesta quinta-feira (25), e outra amanhã (26).

Projeto do show de laser na Igreja da Pampulha (Divulgação/Traçados Digitais)

Lives

Na live de hoje (25), às 18h, Danusa Carvalho e Rafael Caçado contarão as experiências e a concepção do projeto Luzes da Liberdade, e também falarão sobre a intervenção da arte digital no patrimônio histórico da cidade. Às 19h, haverá um debate entre o arquiteto Gustavo Penna, o presidente da Belotur, Gilberto Castro, o artista Rafael Cançado e a arquiteta Luciana Feres.

Já a live de sexta-feira, a partir das 19h, tem o objetivo de transmitir a projeção das luzes de laser na igreja. “É uma live diferente que vai mostrar os traços da igreja feitos a laser, com a técnica laser maping que é a que estamos pesquisando. Estamis valorizando o ponto turístico por meio de uma releitura do patrimônio”, conta Danusa.

Assim, ambas as transmissões ao vivo acontecerão no canal do YouTube “Luzes da Cidade”. A produtora cultural afirma que o show de laser poderá ser visto pessoalmente, e que a live é uma alternativa. “O público da Pampulha é um publico que passa correndo, ou de bicicleta ou no carro, as pessoas não param muito, é uma ideia de que ‘passou e viu'”.

Novidade em sintonia com o passado

“Além de valorizar o patrimônio histórico e o turismo da Pampulha, o projeto é uma continuidade da linguagem do Luzes da Liberdade, trazendo uma nova maneira de pensar e fazer arte na cidade, em sintonia com o nosso passado”, apostou Danusa.

Traçados Digitais é uma realização da Casulo Cultura, em parceria com a Darklight Studio. Além disso, o evento tem patrocínio da Belotur e da PBH (Prefeitura de Belo Horizonte).

Projeto do show de laser na Igreja da Pampulha (Divulgação/Traçados Digitais)

Programação:

Quinta-feira (26/08)

18h: Live-painel “Criação e execução Luzes da Liberdade”

19h: Live-debate “Patrimônio cultural, turismo e tendências tecnológicas”

Sexta-feira (27/08)

19h: Live show de laser Traçados Digitais na Igrejinha de São Francisco/Pampulha

Transmissões pelo canal “Luzes da Liberdade”, no Youtube

Link: https://www.youtube.com/c/luzesdaliberdade

Outros movimentos artísticos em BH

A capital mineira recebeu outras intervenções artísticas em seus principais pontos, nos últimos meses, inclusive no entorno da igrejinha de São Francisco. A Cemig SIM espalhou girassóis pela cidade, incluindo o entorno do ponto turístico da Pampulha. Vários moradores puderam levar os vasos com as flores para casa.

Também em 2020, o festival de arte pública Cura (Circuito Urbano de Arte) trouxe quatro pinturas gigantescas para Belo Horizonte, adicionando representatividade para o conjunto artístico urbano da cidade. Essa foi a quinta edição do movimento, que teve seus debates on-line por conta da pandemia da Covid-19.

A escadaria da Sapucaí ganhou corações espalhados por toda a sua estrutura em homenagem às vítimas da Covid-19, em abril deste ano. O Sesi Cultura MG, em parceria com o CBTU-BH (Companhia Brasileira de Trens Urbanos de Belo Horizonte), quem teve a iniciativa. As escadas também tiveram a pintura renovada para receber a ação, que ficou sendo chamada de “Corações para a Cidade”.

Edição: Vitor Fernandes
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários