Grupo conhecido em BH como “Pichadores de elite” participa de audiência na justiça

Nesta segunda-feira (11),  será realizada a audiência para ouvir testemunhas de acusação e defesa dos réus do processo relacionado a pichações em Belo Horizonte. São 19 acusados da prática do crime, pertencentes a um grupo que ficou conhecido como “Pichadores de Elite” e substituiu o “Piores de Belô” a partir de 2010, segundo o Ministério Público (MP).

O grupo é responsável por centenas de pichações na cidade, notadamente nas Avenidas Amazonas, Antônio Carlos, Silviano Brandão, Otacílio Negrão de Lima e nas Ruas Jacuí, Pouso Alegre, Azurita, Célio de Castro, Dores do Indaiá, Januária, Mármore, Salinas, Conselheiro Saraiva, Contria e Praça da Estação. De acordo com o MP, “a quadrilha, extremamente organizada e hierarquizada, é responsável pela lesão milionária ao erário e à propriedade privada alheia”.

Segundo apurado, o grupo se organizava nos moldes do Batalhão de Operações Especiais do Rio de Janeiro (Bope), também conhecido como Tropa de Elite e, de acordo com o MP, no intuito de intimidar as autoridades, registravam “Até o Bope treme” e outras frases típicas de valorização das ações criminosas e enaltecimento de seus autores.

Crimes

Ainda de acordo com a denúncia, os 19 acusados agiam de forma livre e voluntária desde 2010 e se associaram de forma estável e permanente para cometer os crimes de pichação, danos ao patrimônio cultural, danos em detrimento de bens públicos, apologia de autores de fatos criminosos e incitação pública à prática de crimes, inclusive com a participação de crianças e adolescentes. Consta também na denúncia que a associação era armada.

Durante as investigações, apurou-se que o grupo utilizava as redes sociais, sites de acesso público, como YouTube, e aplicativos para tramar os atos de pichação e fazer apologia de fatos criminosos.

Eles possuíam “estatuto” com os seguintes dizeres: “O objetivo da P.E. (Pichadores de Elite) é continuar com um grupo seleto de 15 fiéis, como manda a tradição, este seleto grupo vai sempre levar a bandeira do império que está há 22 anos no topo. Só entra quem merece, só permanece quem fizer por onde… uma vez P.E., sempre P.E., um pichador de elite vale por 100 pichadores comuns”.

Para o MP, “a cidade transformou-se, nos últimos anos, em uma das capitais brasileiras que têm o cenário urbano mais degradado pela poluição visual, mormente pela pichação de seus prédios públicos, estruturas urbanas (viadutos, passarelas, pontes, muros), edificações privadas e monumentos urbanísticos ou de valor cultural”.  A audiência acontece a partir das 9h no  Fórum Lafayette, Barro Preto.

De TJMG

Eliza Dinah

Jornalista e redatora do portal Bhaz