Prefeitura de Betim anuncia compra de 1,2 milhão de doses de vacina

vittorio
Anúncio foi realizado pelo prefeito Vittorio Medioli (Reprodução/@vittoriomedioli/Facebook)

O prefeito de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, Vittorio Medioli (PSD), anunciou em suas redes sociais, nessa quinta-feira (11), a compra de 1,2 milhão de doses da vacina russa Sputnik V contra o novo coronavírus. O imunizante tem eficácia de 91,6% contra as formas sintomáticas da doença e – de acordo com o prefeito – uma das mais altas que tem no mercado. A previsão é que o lote chegue no mês que vem, na segunda quinzena de abril.

Medioli realizou o anúncio em transmissão ao vivo, no gabinete do prefeito, junto com o secretário adjunto de Saúde, o procurador-geral do município e a secretária de Comunicação. “Hoje tivemos uma resposta positiva via representantes do governo da Rússia, que aceitaram o nosso pedido de compra. Com a entrega prevista das vacinas para o mês de abril, provavelmente entre dia 15 e 20, mas eles acham que poderá ser mais cedo”, começou.

O prefeito comunicou que a quantidade adquirida vai ser suficiente para imunizar 600 mil pessoas. “Compramos 600 mil vacinas porque temos 440 mil habitantes, mas temos uma população flutuante. Nós somos um polo de saúde, com mais de 10 mil pessoas que trabalham na saúde, que vêm de outros municípios; temos indústria, grandes industrias que mesclam moradores de Betim também com outros que vêm de fora; temos grande empresas de logística como caminhoneiros de inúmeros municípios, mas que aqui chegam e aqui fazem ponto”, explicou.

O chefe do Executivo municipal também revelou que existia uma quantidade mínima de compra estabelecida pelos russos. “Estimamos que esse numero seja suficiente para universalizar a imunização dentro do território de Betim. Caso haja alguma sobra, cederemos a outros municípios”, disse. O prefeito reforçou o interesse do munícipio em imunizar a população “que aqui vem e volta”, como os pacientes de outras cidades que chegam nos hospitais betinenses. “Nós teremos doses para deixar imunizados [os pacientes] e blindar Betim”, garantiu.

Sabotagem

O prefeito de Betim criticou a politização e ideologização do combate à Covid-19 e da vacinação. “Com isso, se tudo der certo, e também se não houver algum tipo de sabotagem, porque o Brasil é terrível, você vê essa briga constante, politizada, ideologizada, se perde mais tempo brigando do que procurando soluções. As soluções, na verdade, existem, ter obstinação, competência, vontade de procurar”, exaltou o italiano naturalizado brasileiro.

Ele aproveitou para agradecer ao STF (Supremo Tribunal Federal). “Nós agradecemos muito aos ministros do STF que deram essa abertura para que os municípios pudessem sair mundo afora caçando vacina, nós as encontramos, hoje já assinamos o contrato e enviamos aos representantes do governo russo”, disse.

O prefeito se refere à autorização do STF, por unanimidade, em fevereiro, aos estados e municípios a comprar e a distribuir vacinas contra o novo coronavírus. A permissão valeria caso o governo federal não cumprisse o PNI (Plano Nacional de Imunização) ou se as doses previstas no documento fossem insuficientes.

Nessa quarta-feira (10), o próprio governo federal também sancionou uma lei, aprovada pelo Congresso Nacional na semana passada, que permite a aquisição de doses pelos municípios, estados e o setor privado. Nas condições, as vacinas adquiridas precisam já ter registro ou autorização temporária de uso no Brasil dado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Além disso, as doses adquiridas pelas empresas privadas deverão ser integralmente doadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto estiver em curso a vacinação dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. Após a conclusão dessa etapa, o setor privado poderá ficar com metade das vacinas que comprar, e estas deverão ser aplicadas gratuitamente. A outra metade deverá ser remetida ao SUS.

Imunização

O prefeito explicou que a Sputinik V se aplica em duas doses diferentes, com composições diferentes, sendo a primeira uma ampola azul e a segunda, vermelha. O intervalo de aplicação é de 21 dias. “Se tudo der certo, se não tiver fatos extraordinários que possam vir a impedir a realização desse sonho que era um sonho nosso, da população, de se ficar livre a curto prazo desse pesadelo que é a Covid-19 e inclusive levando a óbito muitas pessoas que poderiam continuar convivendo conosco”, disse.

Vittorio reforçou as medidas de segurança contra a doença. “Lembrando que a pandemia está em um momento grave e hoje é unanime que a salvação é a vacina, agora, nós temos que chegar vivos, o mais conservados possíveis, para a vacina, tanto que chamamos a atenção da população para tomar todos os cuidados possíveis para evitar contatos, aglomerações”, alertou.

Cientistas afirmam que lockdowns e outras medidas de contenção são particularmente necessários durante a vacinação de uma população. Para a BBC, pesquisadores da universidade Imperial College London e da Universidade de Leicester explicaram que é justamente o contato entre vacinados e variantes – muitos presentes no estado atualmente – que propicia o aparecimento de mutações “superpotentes”, com capacidade para driblar a ação do imunizante.

Betim, no momento, não está em “lockdown”. Os serviços não essenciais estão em funcionamento no município – em horário reduzido, desde o começo de março. De acordo com o prefeito, “nós temos que nos esforçar para trabalhar, mas com todos os cuidados possíveis”.

Volta às aulas

Com a vacinação na cidade, a promessa do retorno às aulas ficou para maio. “Estamos preparando um mutirão e com isso garantir uma volta das aulas presenciais, se tudo certo, o mês de maio será também um mês de retorno as aulas, porque nós entendemos que para retornar é necessário ter todo mundo imunizado dentro do ambiente escolar”, disse Vittorio.

Em Betim, são 59 mil alunos e 8 mil servidores, desta forma, só a parte de educação consome 67 mil vacinas. “Nós entendemos que para retornar é necessário ter todo mundo imunizado dentro do ambiente escolar”, argumentou. De acordo com o prefeito, a compra dos imunizantes custou cerca R$11,6 milhões para o município. “Não está incluído custo das seringas e outros materiais, mas nós temos à disposição, estoque. Em Betim não falta esse tipo de material”, disse.

Covid-19 em Betim

Secretaria Municipal de Saúde de Betim

Betim tem um total de 511 óbitos por Covid-19, de acordo com o último boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde. Ontem (11), a cidade tinha mais de 18 mil casos confirmados, 568 em acompanhamento, além de 51 residentes de Betim internados no SUS (Sistema Único de Saúde).

Covid-19 em Minas Gerais

O estado de Minas Gerais bateu um novo recorde de mortes em 24 horas pela Covid-19, com 263 óbitos nesta quinta-feira (11). O número de casos confirmados nesse mesmo espaço de tempo é de 7.745. Segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), o território mineiro registrou a marca de 20.087 óbitos.

O estado mineiro já totaliza 946.556 casos de Covid-19 confirmados pelas unidades de saúde. Desse total, 64.404 pessoas estão em acompanhamento e 854.583 pacientes conseguiram recuperar-se da doença causada pelo vírus. Dos casos confirmados, 77.221 seguem internadas e 869.335 estão praticando isolamento domiciliar.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários