Show clandestino termina com sete presos e reação a abordagem da PM na Grande BH

show rio acima
Evento clandestino provocou aglomeração (PM/Divulgação)

Um show clandestino terminou com sete homens presos, em Rio Acima, na região metropolitana de Belo Horizonte, nessa terça-feira (7). O evento reuniu centenas de pessoas em um bar. A Polícia Militar foi chamada devido à aglomeração e ao desrespeito às normas sanitárias contra a Covid-19. Populares reagiram a abordagem jogando pedras e garrafas nos militares.

A PM informou que, antes de receber a denúncia anônima de aglomeração, uma mulher procurou a corporação alegando ter sido agredida pelo namorado. O casal estava no bar onde acontecia a apresentação musical que reunia centenas de pessoas. Os participantes não usavam máscara de proteção e desrespeitavam o distanciamento social.

O trânsito estava impedido no local, pois o dono do estabelecimento havia colocado cones e caixas de som na rua e calçada. Durante a abordagem policial, os frequentadores reagiram desrespeitando as determinações dos PMs. Conforme registrado na ocorrência, alguns chegaram a ameaçar os policiais: “Vocês têm que morrer”.

Garrafas e pedras foram jogadas na direção dos policiais em resposta à prisão dos suspeitos. A viatura também foi atingida e teve o giroflex quebrado, além de arranhões.

Evento clandestino

Autoridades do município de Rio Acima acompanharam o atendimento da ocorrência e constataram que o evento em via pública não tinha autorização para ser realizado.

Foram apreendidos 14 pinos de cocaína, dois cartuchos intactos de calibre 32 e um aparelho celular. Os suspeitos, com idades entre 21 e 56 anos, foram levados até a Delegacia de Plantão de Santa Luzia, local onde o registro da ocorrência foi encerrado.

Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ de maio de 2017 a dezembro de 2021. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas nos prêmios CDL (2018, 2019 e 2020), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Comentários