Vendedor de cachorro-quente morre após tiroteio em porta de casa de show

Após atirar o homem teria gritado: “matei, matei, matei”. Em seguida ele fugiu em um Hyundai i30

A segunda pessoa baleada durante um tiroteio ocorrido na madrugada de sábado (27), em frente à casa de show City Hall, no Prado, região Oeste da capital, morreu nessa segunda-feira (29). A vítima era um vendedor ambulante de 20 anos. Ele trabalhava com o pai vendendo cachorro-quente quando foi atingido por um dos disparos.

Após ser ferido, o rapaz foi levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII , onde estava internado em estado grave. O irmão do jovem confirmou que ele teve morte cerebral.

O pai da vítima, um homem de 44 anos, também chegou a ser internado no HPS após ser ferido por estilhaços durante o tiroteio,  mas recebeu alta. O irmão do ambulante informou que os familiares sempre vendiam lanches na porta do City e que nada tinham a ver com confusão.

Crime após confusão

O crime aconteceu na madrugada do último sábado (27) na porta da casa de shows City Hall, localizada na avenida Tereza Cristina. No momento do crime acontecia uma baile funk no local com shows do MC Pedrinho e Jerry Smith. Segundo policiais do 22° Batalhão, que atenderam a ocorrência, um cabeleireiro de 28 anos se envolveu em uma briga dentro da boate. Quando saiu do local foi alvejado por um homem que teria gritado antes de atirar:” “É aquele vacilo lá”.

Testemunhas falaram à PM que, após matar, o autor gritou : “matei, matei, matei”. Ainda de acordo com pessoas que estavam no local na hora do crime, ele fugiu em direção a um Hyundai i30, vermelho, que saiu na contramão e em alta velocidade. Ainda não há pistas sobre o suspeito.

Jefferson Lorentz

Jeff Lorentz é jornalista e trabalhou como repórter de pautas especiais para o portal Bhaz.