UFMG recruta crianças de 7 a 10 anos para estudo sobre obesidade infantil em Betim

obesidade
O estudo tem o objetivo de desenvolver um método de intervenção intensivo, com acompanhamento nutricional e atividades de educação alimentar (FOTO ILUSTRATIVA: Banco de imagens/Unsplash)

A UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) está recrutando voluntários para um estudo sobre os métodos e abordagens contra a obesidade infantil no município de Betim, na Grande BH. A pesquisa, conduzida na Escola de enfermagem sob coordenação da professora Larissa Loures Mendes, tem como público-alvo crianças entre 7 e 10 anos que estejam acima do peso.

A docente explica que o estudo tem o objetivo de desenvolver um método de intervenção intensivo, com acompanhamento nutricional e atividades de educação alimentar. A iniciativa, em parceria com a Secretaria de Saúde de Betim, também busca capacitar profissionais de nível superior para a execução desse método.

Os pais ou responsáveis pelos menores podem inscrever as crianças através de um formulário. Quem não tiver acesso à internet pode efetuar a inscrição nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) do município. “As crianças serão acompanhadas por equipe formada por profissionais dedicados ao estudo que compõem as equipes de estratégia da família da Rede SUS Betim durante sete meses”, conta Larissa.

Metodologia

O atendimento às crianças vai acontecer em 18 unidades básicas de saúde de Betim. O estudo é voluntário e não terá custo aos participantes. Ao todo, 160 crianças serão divididas em dois grupos distintos.

O primeiro terá o atendimento padrão realizado nas Unidades Básicas de Saúde, enquanto o segundo será atendido por meio de intervenção intensiva que inclui “uma intervenção nutricional com duração de 7 meses com atendimento compartilhado e individual, além de atividades de educação alimentar e nutricional com as famílias e em grupo, e monitoramento por telefone, SMS e whatsApp”, explica a professora.

Com UFMG

Edição: Roberth Costa
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2021. Vencedora do 13° Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, idealizado pelo Instituto Vladimir Herzog.

Comentários