Pesquisar
Close this search box.

Após depoimento de Luciano Hang na CPI, Regina Duarte sai em defesa do empresário: ‘O Brasil te ama’

Por

regina duarte
Atriz Regina Duarte saiu em defesa do empresário (Reprodução/@reginaduarte/Instagram)

A atriz e ex-secretária de Cultura do governo Bolsonaro, Regina Duarte, decidiu postar uma mensagem de apoio a Luciano Hang na manhã desta quarta-feira (29). O empresário e dono da Havan prestou depoimento à CPI da Covid nesta quarta e, por isso, Regina decidiu se manifestar nas redes sociais.

Em seu perfil no Instagram, a ex-secretária de Cultura compartilhou imagens em defesa do empresário, que é acusado de financiar um esquema de propagação de fake news.

O primeiro post da atriz, feito em carrossel, traz imagens de limões, e na sequência, a foto do rosto de Luciano Hang com a bandeira nacional. “O Brasil te ama, Luciano Hang”, diz Regina na legenda da imagem. “Faz do limão: limonada. O Brasil te ama, Luciano”, continua.

Em um outro post, Regina traz um trecho do depoimento de Luciano à CPI, em que ele diz que não é “negacionista”, e que prestou auxílio aos moradores de Manaus que sofreram com a falta de oxigênio nos hospitais públicos do Amazonas (veja abaixo).

Depoimento tumultuado

A primeira parte do depoimento do empresário Luciano Hang à CPI da Covid foi tumultuada. Diversas interrupções, de senadores favoráveis e contrários ao governo, marcaram a oitiva, desde a intervenção inicial do depoente às primeiras perguntas do relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Luciano Hang é acusado de pertencer ao chamado “gabinete paralelo”, grupo que atuou informalmente junto ao Ministério da Saúde nas decisões relacionadas ao combate à pandemia. Esse grupo é acusado de contribuir para a disseminação de fake news sobre a doença, de promover tratamentos sem comprovação científica e defender a “imunidade de rebanho” em detrimento do distanciamento social e da vacinação em massa.

Em sua fala inicial, Hang rejeitou a pecha de “negacionista” e disse ser favorável à vacina. Afirmou que a CPI desrespeitou a memória de sua mãe, Regina, que morreu de covid em fevereiro, em hospital da empresa Prevent Senior, investigada pela comissão. O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), negou ter havido desrespeito e observou que foi o próprio depoente o primeiro a mencionar a morte da mãe nas redes sociais, para defender o controvertido “tratamento precoce” contra o coronavírus.

“Nunca neguei ou duvidei da doença. Tanto que minhas ações não ficaram só no discurso. Mandei 200 cilindros de oxigênio para Manaus, no valor de R$ 1 milhão. Respiradores, máscaras, camas, utensílios. Não sou nem nunca fui contra vacina”, disse o empresário.

Luciano Hang desafiou prisão na CPI

Antes do depoimento, Hang já havia chamado atenção nas redes após compartilhar, na segunda-feira (27), um vídeo em que aparecia com um dos braços algemados. Nas imagens, ele afirmou que comprou o artefato para que não seja gasto dinheiro durante seu depoimento na CPI da Covid.

“Estou indo na CPI com o coração aberto. Gentileza gera gentileza, respeito gera respeito. Eu quero que eles façam as perguntas e eu tenha todo o tempo do mundo para responder. Eu tenho tanto tempo, toda a quarta-feira vai estar disponível. Eu trabalho 24 horas por dia, então vou ter todo o tempo do mundo”, afirmou o empresário no vídeo.

“E, se por acaso eles não aceitarem aquilo que vou falar, já comprei… Para não gastar dinheiro com algema, já comprei uma algema, vou entregar uma chave para cada senador. E que me prendam”, finalizou, levantando os braços.

Hang é um dos principais defensores do chamado tratamento precoce. Seu depoimento deve auxiliar a CPI a aprofundar as investigações sobre o possível elo entre o governo federal e entes privados para promover o tratamento sem eficácia contra a Covid-19.

Com Folhapress

Jordânia Andrade

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ