Carro desgovernado mata ciclista a caminho de Aparecida do Norte e deixa outra vítima gravemente ferida

acidente rodovia presidente dutra
O carro ainda invadiu o canteiro da via e atropelou mais três romeiros, um deles foi levado ao hospital pelo helicóptero águia (PRF-SP/Divulgação)

Um ciclista que estava a caminho de Aparecida do Norte, em São Paulo, morreu na manhã de hoje (10) após ser atingido por um carro desgovernado no km 96 da rodovia Presidente Dutra. Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a condutora do veículo perdeu o controle da direção, entrou no acostamento – onde a vítima estava pedalando – e arremessou o ciclista pra fora da rodovia.

O homem, que ainda não teve a idade confirmada, teve morte instantânea. Ainda de acordo com os policiais, o carro invadiu o canteiro da via e atropelou mais três romeiros em peregrinação ao santuário e que descansavam em grupo.

Um deles teve ferimentos graves na perna e precisou ser conduzido ao hospital pelo helicóptero águia. Os outros dois tiveram apenas escoriações.

Mais tragédias

Desde ontem (9), o feriado na rodovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro está sendo marcado por tragédias. Segundo a PRF, essa foi a quarta morte registrada na Via Dutra. Às 4h10 da manhã deste domingo, um romeiro que se abrigou contra a chuva embaixo de um caminhão foi atropelado depois que o veículo deu partida.

Ciclista que se abrigava embaixo de caminhão morre atropelado no km 134 nesta madrugada (PRF-SP/Divulgação)

Já na altura do km 121, duas mulheres caminhavam no canteiro quando foram atingidas por um automóvel. Uma delas, de 42 anos, foi lançada para fora da rodovia e faleceu na hora. Já a outra foi socorrida em estado grave.

A primeira morte do feriado foi registrada em São José dos Campos na noite de ontem (9). Um policial militar de 47 anos faleceu após ser atingido por um veículo conduzido por um idoso de 74 anos, que teve ferimentos leves.

Edição: Roberth Costa
Larissa Reis
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários