Pesquisar
Close this search box.

Doméstica suspeita de matar patrão no Rio fez buscas no Google sobre crime

Por

Lilson Braga
Lilson Braga foi morto com um tiro no peito (Reprodução/Redes sociais)

A empregada doméstica de 19 anos que confessou ter matado o patrão teria feito buscas no Google para aprender a atirar. Lilson Braga, de 66 anos, foi morto com um tiro no peito enquanto dormia na própria casa, em Pedra de Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro, no dia 29 de março.

A suspeita foi presa no domingo (2) por policiais civis da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC). De acordo com as investigações, o assassinato foi cometido por conta de um descontentamento da doméstica com o patrão.

O corpo de Lilson Braga só foi encontrado dias depois do assassinato, dentro da cisterna que abastecia a residência dele. A apuração da Polícia Civil comprovou que telefones celulares dele, além de jóias e dinheiro, foram levados da casa.

Os investigadores também constataram que a mulher sacou dinheiro com cartões da vítima em pontos diferentes do bairro Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste, totalizando R$ 3 mil.

A equipe da DHC localizou e cumpriu um mandado de prisão temporária contra a suspeita em uma comunidade, também no Recreio.

Premeditação

De acordo com a TV Globo, antes do assassinato, a jovem fez pesquisas no Google para planejar o crime. Ela teria buscado pelos termos “tiro na posição sentada”, “tiro no peito mata” e “treinando tiro”.

As investigações ainda apontam que a suspeita pode ter contribuído para a morte da mãe do patrão, Lia Santos Renzo, de 91 anos. Isso porque, ainda segundo a emissora, a jovem se passou pelo homem por meio de mensagens de telefone após o crime.

Fingindo ser Lilson, a doméstica dispensou a cuidadora da mãe dele. “Tá f* pra mim ficar gastando esse dinheiro todo. Vou começar eu mesmo a cuidar da minha mãe. Não quero te deixar na mão, fica tranquila. Mas vou te pagar esse mês e depois eu mesmo vou dar meu jeito”, escreveu ela no telefone do patrão.

Lia Santos Renzo morreu seis dias depois do filho. O delegado Alexandre Herdy disse à TV Globo que, como a idosa foi deixada sozinha e sem a assistência devida, a polícia acredita que a morte decorreu da falta de cuidado provocada por uma ação da suspeita.

Sofia Leão

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ