Médico ginecologista é preso suspeito de abusar sexualmente de mais de 40 pacientes

ginecologista preso
Nicodemos Júnior foi detido em seu consultório, depois que três pacientes formalizaram denúncias contra ele nessa semana (Polícia Civil de Goiás/Divulgação)

Um ginecologista de Anápolis, em Goiás, foi preso na última quarta-feira (29) suspeito de importunar sexualmente dezenas de pacientes. Em mensagens trocadas com uma delas, Nicodemos Júnior Estanislau Morais sugere, em tom de brincadeira, que a paciente teste com ele um anel vaginal, dispositivo utilizado durante o ato sexual para impedir a ovulação. As informações são do G1.

“E não atrapalha a relação sexual? O parceiro não sente? Não vai incomodar?”, pergunta a mulher. “Bom, minha namorada já usou e eu não percebi diferença alguma. Posso testar kkk. Brincadeira”, responde o médico.

Constrangida, a paciente não responde mais as mensagens. A conversa aconteceu em julho de 2020, após uma consulta, e foi encaminhada para as autoridades que investigam o caso. Segundo a Polícia Civil de Goiás, após a prisão dele, mais de 40 mulheres já procuraram as autoridades para denunciar o ginecologista por crimes sexuais.

Mensagens trocadas com uma das pacientes (Polícia Civil de Goiás/Divulgação)

Médico pode ser solto

Nicodemos Júnior foi detido em seu consultório, depois que três pacientes formalizaram denúncias contra ele nessa semana. Ainda hoje (1º) uma audiência será realizada para definir se ele continua preso.

“Tenho plena convicção que a gente vai ter sucesso na liberdade do doutor Nicodemos. A defesa não teve acesso a nenhum depoimento desses novos fatos. O doutor Nicodemos prestou depoimento na delegacia somente com relação às supostas três vítimas, então a defesa aguarda a notificação para tomar as medidas necessárias”, disse o advogado Carlos Eduardo Gonçalves Martins ao G1.

Mobilização

Para receber as denúncias e acolher as vítimas, uma equipe policial formada só por mulheres foi criada na delegacia de Anápolis. Segundo a delegada Isabella Joy, responsável pelas investigações, a repartição já recebeu ligações de mais de 50 vítimas e ela acredita que esse número pode ser muito maior.

“Temos diversos relatos de vítimas que ele tentou agarrar, beijar, fez que tocassem nos órgãos genitais dele, vítimas que ele abusou durante o parto, que sofreram depressão pós-parto por causa dele”, descreveu. Algumas das vítimas relataram ter sido abusadas quando ainda eram menores de idade.

“Vesti o avental, ele me examinou e depois pediu que a minha mãe esperasse do lado de fora da sala. Vesti de novo a roupa e fui para a maca. De repente, sem mais nem menos, ele começou a falar de ponto G, se eu sabia o que era. Nunca tinha ouvido falar. Enquanto ele dizia isso, colocava a mão em mim e me manipulava. Eu fiquei muito assustada. Não sabia o que fazer”, contou uma das vítimas ao jornal Extra.

Agora, Nicodemos Júnior Estanislau Morais é alvo de investigação pelos crimes de importunação sexual, violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável.

Edição: Giovanna Fávero
Larissa Reis
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários