PF prende homem que aliciava menores fingindo ser agente de modelos e pedindo imagens explícitas

Operação contra aliciamento
PF identificou 24 vítimas dos crimes (Divulgação/Polícia Federal)

Um homem que aliciava menores de idade por meio da internet, entre 2017 e 2019, foi preso nesta quinta-feira (4) pela Polícia Federal, no interior paulista. Ele se passava por agente de modelos e pedia que as vítimas enviassem fotos nuas e em cenas de sexo.

De acordo com a corporação, nas conversas, o homem “adentrava no universo imaginário infantojuvenil” com falsas promessas de futuros trabalhos com os ídolos das vítimas, que tinham entre 8 e 16 anos. Ele dizia a elas que era normal o envio de fotos de conteúdo sexual para conseguir o trabalho.

Após o primeiro contato e a ilusão de estarem sendo contratadas para trabalhar de modelos e com os ídolos, chegava um momento em que a criança começava a questionar a necessidade de mais fotos, além de querer saber quando ela iniciaria o trabalho.

Nesse contexto, quando a criança começava a resistir ao assédio e se negava a enviar mais materiais, o homem coagia e forçava as crianças a continuarem a fornecer as imagens, ameaçando divulgar o conteúdo na internet ou enviar aos pais delas.

Prisão

No total, a corporação identificou 11 perfis falsos usados pelo investigado, e 24 vítimas dos crimes. O Juízo da 2ª Vara Criminal de Franca concedeu medidas de busca e apreensão e prisão temporária. A Operação Dólos foi deflagrada nas cidades de Rifaina e Franca.

O homem responderá pelos crimes de estupro virtual de vulnerável em 17 ocasiões, divulgação de cena de estupro ou de cena de estupro de vulnerável em três ocasiões e produzir, dirigir cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente em 12 ocasiões.

As penas totais dos crimes variam de 187 a 302 anos de prisão.

Edição: Vitor Fernandes
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários