Sikêra Jr. pede perdão ‘para quem se sentiu ofendido’ após homofobia

Alerta Nacional
Embate entre apresentador e deputado começou após falas no Alerta Nacional (Reprodução/@excentricko/Twitter)

Após falar que as pessoas que integram o movimento LGBTQIA+ são uma “raça desgraçada” que quer “acabar com a a família tradicional brasileira” e perder vários patrocínios comerciais na RedeTV!, Sikêra Júnior, apresentador do Alerta Nacional, fez um desabafo durante seu programa, na noite de ontem (29). Sikêra pediu perdão “para quem se sentiu ofendido”, disse que tem vários “homossexuais trabalhando à frente e atrás das câmeras”, mas manteve falas homofóbicas em relação à peça publicitária do Burger King.

“Eu quero pedir licença aos meus colegas, aos diretores, para falar algo que tá me incomodando desde a última sexta-feira. Eu venho recebendo milhares, mas milhares de mensagens, incomodadas com um comentário que fiz sobre um comercial que utilizou de crianças. Usou crianças para promover a diversidade sexual”, diz o apresentador, que se refere a uma propaganda do Burger King (assista aqui) que começa com uma pergunta: “Não sabe como explicar LGBTQIA+ para crianças?”. Em seguida, responde: “Aprenda com ela”.

Assim, o filme traz uma série de respostas espontâneas de crianças. Os pequenos foram ouvidos ao lado de seus responsáveis. Apenas as perguntas foram roteirizadas. Dessa forma, a campanha demonstra como o assunto pode ser tratado com mais naturalidade.

O apresentador, contudo, mantém sua posição sobre o comercial. “Eu recebi apoio de muitos. Mas também foi alvo de muitas críticas e ataques. Sei também que colegas de trabalho e repórteres que atuam nesse canal também foram atacados. Primeiro eu quero deixar claro uma coisa. Tudo que eu falo nesse programa é de minha responsabilidade. Eu nunca fugi, não vai ser agora que eu vou fugir da minha responsabilidade. Digo e mantenho a minha palavra”, continua.

Sikêra argumenta que o seu programa tem o maior número de homossexuais de frente e atrás das câmeras. “Quem trabalha comigo sabe o respeito que eu tenho por cada um. E não me importa sexo não, tá? Religião, cor da pele… aqui todo mundo é tratado com respeito, com carinho. Com muito carinho. Eu desafio ainda qualquer um que me critica encontrar em outro jornal policial ou não tantos homossexuais trabalhando à frente e atrás das câmeras como esse programa”, diz.

“Sem nenhum filtro, sem nenhuma orientação para se esconder. Eu faço questão de trabalhar com gente livre para dizer como pensa e se mostrar como são. Mas eu como pai, como avô, eu não posso me calar quando vejo crianças sendo usadas como peça publicitaria para vender uma ideologia”, dispara.

‘Eu tenho sofrido’

O apresentador se coloca como “defensor das crianças”. “Criança precisa brincar, criança precisa estudar, principalmente ser criança. Ser criança. Dito isso eu preciso reconhecer que me excedi. Sim, no calor do comentário querendo proteger a inocência das crianças, eu defendo não é de hoje. É naquele telão que eu ensino, que eu dou aulinha do vovô Sikêra, não é de hoje”, argumenta o apresentador, apontando para o telão do “Alerta Nacional”.

“É na minha oração na abertura do programa, não é de hoje. Anos e anos pedindo proteção para as crianças. E eu posso ter usado palavras que me arrependo, sou humano. Quantas vezes já falei aqui? Errei, erro e vou errar. Eu vou repetir. Já errei, eu erro e irei errar, eu sou humano. Humano”, reforça.

Sikêra diz que vem sofrendo com as críticas após fala homofóbica. O Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ (entenda sigla aqui), comemorado nessa segunda-feira (28), colocou em destaque a resistência, o respeito, mas também a discriminação que pessoas de orientações sexuais diversas ainda sofrem no mundo, em especial em países como Brasil, que mais mata homossexuais, trans e travestis.

“O que eu tenho sofrido com essa situação. Ninguém tá imune de errar. Como eu falei, foi nesse estúdio para todo o Brasil eu tenho uma responsabilidade de pedir desculpas publicamente. Eu aprendi muito com essa lição. Eu vou seguir nessa batalha para defender a família tradicional. Para defender as crianças. Mas sem nunca desrespeitar quem pensa diferente de mim. Você que discorda também é muito bem-vindo aqui. Aqui não tem censura nesse programa. Você já percebeu que aqui no alerta nacional aqui não existe censura”, diz.

Um jornalista do Brasil Urgente, da Band Rio Grande do Norte, mandou um recado para o colega de profissão, nessa segunda-feira (28), pedindo responsabilidade do apresentador do “Alerta Nacional” com audiência dele. O jornalista ainda pediu para que Sikêra Júnior aproveitasse a própria visibilidade “para pregar o bem, para trazer coisas úteis ao país, para pregar o amor, para pregar a paz” (veja mais aqui). Já as cantoras Ludmilla e Daniela Mercury exigiram punição pelas falas criminosas de Júnior.

‘Me perdoe’

Apesar das críticas e do pedido de desculpas, o apresentador alega que continuará defendendo a “família brasileira”. Uma realidade de muitos brasileiros é o não reconhecimento de paternidade, que implica quase sempre em não receber qualquer tipo de assistência financeira, educativa ou afetiva. “Vou continuar defendendo a família brasileira. Vou continuar defendendo a criança. Deixem nossas crianças brincarem, se divertirem, crescerem, respeitem esse direito”, argumenta Sikêra.

No final do discurso, o apresentador pede desculpas “para quem se sentiu ofendido”. “Eu falei como pai, falei como avô. Agora eu quero falar com você. Você que diz que não assisti este programa, mas essa mensagem vai chegar até você. Você que se sentiu ofendido. Você que se sentiu ofendido. Eu lhe peço perdão”, diz Sikêra, enquanto se curva em frente às câmeras, como pedido de desculpas.

Me extrapolei como nunca, revoltado com o que eu vi naquele comercial, que continuo contra e aconselhando os meus amigos: ó, não passo nem em frente. A minha opinião continua a mesma. Mas para você que se sentiu ofendido, eu posso fazer como humano, pai de família, como homem de bem, como respeitador, dizer assim ‘Me perdoe’. Minha opinião continua a mesma.”, disse, enquanto se curvava novamente.

“Sirva a família brasileira. Não usem crianças. Não tentem antecipar nada para as minhas crianças do meu Brasil. Não façam. Vocês perdem. Vocês vão criar uma antipatia muito grande. Porque também existem marcas que não concordam com o que vocês defendem, existem marcas que não aceitam”, continua. “Viva a família brasileira”, finaliza.

Entenda

Na sexta-feira (26), às vésperas do Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, o apresentador do Alerta Nacional, da RedeTV!, Sikêra Júnior, xingou todos os homossexuais durante editorial em seu programa. Sikêra disse que as pessoas que integram o movimento LGBTQIA+ são uma “raça desgraçada” que quer “acabar com a a família tradicional brasileira”.

“A criançada está sendo usada. Um povo lacrador que não convence mais os adultos e agora vão usar as crianças. É uma lição de comunismo: vamos atacar a base, a base familiar, é isso que eles querem. Nós não vamos deixar”, disse o apresentador em referência a uma peça publicitária do Burger King, que apresenta um caminho para pessoas que dizem não saber como explicar LGBTQIA+ para crianças. A temática do comercial não agradou grupos conservadores, inclusive o pastor Silas Malafaia.

“Vocês são nojentos. A gente está calado, engolindo essa raça desgraçada, mas vai chegar um momento que vamos ter que fazer um barulho maior. Deixa a criança crescer, brincar, descobrir por ela mesma. O comercial é podre, nojento”, disse Sikêra, em meio a outras acusações.

Após a série de falas homofóbicas, o MPF (Ministério Público Federal) apresentou uma ação civil pública contra a emissora e o apresentador, pedindo uma indenização de R$ 10 milhões por danos morais coletivos. O canal também perdeu três das principais empresas anunciantes, que cancelaram os contratos de patrocínio com a RedeTV!.

Polêmicas

Conhecido como uma figura polêmica, Sikêra Júnior protagonizou várias situações constrangedoras na televisão. Em abril deste ano, o apresentador rasgou a calça durante uma coreografia que executava ao lado de outros membros da equipe de seu programa.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) não deixou de participar de uma das danças do apresentador. No ano passado, em ocasião em que deveria estar no Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alegou que possuía agenda oficial no Amazonas. No entanto, em vídeo divulgado nas redes sociais, o senador apareceu em gravação com Sikêra Júnior.

No mesmo ano, depois de demonstrar irritação por cair no “Gemidão do WhatsApp”, o apresentador dançou e cantou para comemorar a morte de um assaltante. O âncora do Alerta Nacional também já apareceu um dos assuntos mais comentados na internet depois de testar um produto ao vivo e ‘merchan’ virar confusão.

Um dos episódios mais conhecidos de Sikêra Júnior aconteceu no final de 2016, quando o apresentador disse que “maconheiros iriam morrer antes do Natal”. Ironicamente, ele teve um infarto na semana seguinte, mas se recuperou. Em função dos episódios polêmicos e homofóbicos, em 2019, um belo-horizontino promovido no JN dispensou dividir bancada com Sikêra.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários