‘Sobra para quem tem consciência’, diz Kalil sobre negacionistas da vacina

vacinação
Prefeitura aguarda liberação da Anvisa para iniciar vacinação (FOTO ILUSTRATIVA: Marcello Casal JR/Agência Brasil)

Belo Horizonte está “preparada” para vacinar a população contra o novo coronavírus. Quem disse é o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PSD), em coletiva realizada na prefeitura, nesta sexta-feira (18). Para que isso aconteça, basta a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizar o imunizante. O chefe do Executivo municipal ainda afirmou “não achar ruim” que algumas pessoas recusem a receber a vacina.

“Temos condições de estocar um milhão de vacinas e, seja qual for, temos condições de iniciar imediatamente, pois estamos preparados para começar. Temos insumos, seringas compradas e aguardamos e esperamos a Anvisa liberar a vacina”, disse o prefeito após anunciar nova flexibilização no comércio de Belo Horizonte.

Durante a semana, Kalil se encontrou com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e firmou acordo para aquisição da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. Os profissionais de saúde, da rede pública e privada, devem estar entre os primeiros imunizados. A prefeitura também tem parceria com a UFMG para armazenar as vacinas da Pfizer.

Kalil ainda disse que o plano para imunizar a população está “absolutamente pronto”. “Os insumos estão no armário e só falta chegara a vacina. Já temos o dinheiro reservado e se faltar vacina, vamos atrás para esta primeira etapa, para a segunda e terceira”.

Negacionistas

Indagado sobre como a prefeitura vai lidar com as pessoas que negarem a tomar a vacina anti-Covid, o prefeito respondeu ao seu estilo. “Num primeiro momento, os negacionistas, criminosos que infectam todo mundo, se não quiserem tomar a vacina, eu não acho ruim. Vai sobrar para quem tem consciência e depois a gente toma as atitudes”, disparou.

O prefeito manifestou desejo de tomar o imunizante, assim como os médicos infectologistas que integram o comitê da prefeitura, e afirmou que medidas serão tomadas pelo poder público para com aqueles que não tomarem a vacina. “Certamente, depois que vacinarmos todo mundo que quiser, vamos estudar medidas. Não podemos sobrecarregar o poder público e a saúde pública. Vamos estudar para não fazer pataquada”.

Pandemia em BH

De acordo com o Boletim Epidemiológico e Assistencial dessa quinta (17), Belo Horizonte tem 58.787 casos confirmados de Covid-19 e 1.773 mortes. O número de pacientes recuperados alcançou a marca de 54.551 e aqueles em acompanhamento, 2.463. Os três indicadores de monitoramento da pandemia segue em alerta, na cor amarela. O número médio de transmissão por infectado (RT) está em 1,09.

Os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratar o novo coronavírus estão com 61,7% de ocupação e os de enfermaria, 52,9%. A regional Noroeste concentra o maior número de mortes com 232 vítimas, na sequência aparecem Nordeste com 213 e Oeste com 210.

indicadores pandemia bh
Indicadores de monitoramento da pandemia na capital mineira (Reprodução/PBH)
Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas nos prêmios CDL (2018, 2019 e 2020), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Comentários