Pesquisar
Close this search box.

FOTOS: Com 94% de conclusão na Arena MRV, CEO Bruno Muzzi fala sobre a obra, expectativas e mais

Por

arena mrv atlético bruno muzzi
Arena MRV passa de 93% de conclusão (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

Futuro estádio do Galo, a Arena MRV está cada vez mais perto de se tornar realidade e já tem data para inauguração. Com mais de 94% das obras concluídas, o BHAZ foi conferir de pertinho como está a construção da casa do Atlético, que deverá ser inaugurada no próximo dia 25 de março, aniversário de 115 anos do clube.

A visita da imprensa também contou com a presença de Bruno Muzzi, CEO do Atlético e da Arena MRV. Ele falou sobre diversos assuntos: bastidores da obra, possíveis mudanças de datas dos eventos do BH Festival, SAF do Atlético e salários atrasados. Muzzi também compartilhou uma curiosidade sobre o camarote do ídolo Hulk no estádio. Confira tudo nesta matéria do BHAZ.

Beatriz Kalil Othero/BHAZ

Obra, cadeiras cativas e camarotes

Segundo Bruno Muzzi, a expectativa é que a Arena MRV possa estar pleno para receber jogos do Atlético em meados de julho e agosto, faltando detalhes internos para a inauguração. “Por dentro, o estádio está praticamente pronto. Faltam apenas alguns detalhes, principalmente na parte que simboliza o ‘coração’ das operações, onde irão circular as carretas em dias de eventos. Estamos fazendo uma ‘operação de guerra’ para cumprir o prazo e entregar tudo”, afirmou.

Praticamente todas as cadeiras cativas postas à venda pelo clube já foram esgotadas. No setor inferior, Muzzi informou que 4,8 mil cadeiras já foram vendidas. Atualmente, o custo médio de uma cadeira cativa é de R$ 45 mil, sendo a mais cara, R$ 52 mil.

Todos os 112 camarotes do estádio já foram comercializados. Quem quis adquirir um precisou desembolsar cerca de R$ 1,19 milhão. A partir do primeiro jogo oficial, o dono do camarote terá direito a usar o espaço por 15 anos. “Cada comprador pode personalizar seu próprio camarote. O projeto tem de ser aprovado pela Arena MRV”, ressaltou Bruno Muzzi.

Por falar em camarotes, o jogador Hulk, ídolo do Atlético, também contratou um espaço. “Ele tem até 2025, mas como ele está cada vez mais atleticano, quer ampliar esse tempo para 15 anos, quando já estiver aposentado (risos). Ele está negociando”.

Conheça a Arena MRV, futuro estádio do Galo
Corredores da área de camarotes (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

Eventos

De acordo com Muzzi, nos shows que irão acontecer na casa do Galo, o palco deverá ficar no setor Norte. Os lounges possuem uma visão privilegiada nesses eventos, ficando “de frente” para o palco.

Sobre o assunto, o CEO da Arena MRV ressaltou que a prioridade do Atlético serão os jogos. “Precisamos fazer eventos, eventualmente será necessário encaixar datas. Mas, ao mesmo tempo, precisamos respeitar a preferência que é o futebol”, defendeu.

A Arena MRV terá capacidade para cerca de 46 mil pessoas. Com a possibilidade de demandas superiores que podem acontecer em alguns jogos, como eventuais finais de campeonato, o Atlético poderia optar por mandar esses jogos no Mineirão, que pode receber até 62 mil pessoas? Bruno Muzzi responde:

Cadeiras têm quatro cores diferentes (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

“[Após a inauguração] A nossa ideia é continuar 100% na Arena MRV. Não pretendemos jogar no Mineirão. O que pode acontecer é que, se já tivermos um evento marcado, e um jogo que a diretoria avalie que vale a pena mudar em função desse evento, podemos jogar no Mineirão. Mas lembrando que a prioridade do clube é o futebol”.

O CEO do Atlético contou que as paredes da Arena MRV possuem textura inspirada nas paredes do Mercedes-Benz Stadium, em Atlanta, nos Estados Unidos.

Bruno mostra a textura da parede (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

Inauguração da Arena MRV

De acordo com Bruno, as previsões de datas dos eventos inaugurais da Arena podem ser alteradas. “O primeiro evento oficial, dia 25 de março, estou mantendo na data. Mas as outras, estamos avaliando, em função das dificuldades com artistas e time estrangeiro, por exemplo”.

“Os primeiros eventos serão ainda em caráter experimental, vamos aprender a operar com o tempo”, completou.

De qualquer forma, o CEO assegurou que os eventos devem ocorrer ainda no primeiro semestre. “Com a pandemia, o cenário e os preços mudaram muito. Vamos priorizar o artista internacional, tentar acomodar na melhor data. Mas caso as datas mudem, será ‘um pouquinho pra lá, um pouquinho pra cá’. Nada muito longe”.

Arena MRV cada vez mais perto da inauguração
Distância entre arquibancada e gramado é curta, para dar o “efeito caldeirão” (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

Durante os eventos inaugurais, as obras viárias no entorno do estádio ainda não estarão concluídas. “As obras viárias começaram em um período chuvoso, o que dificultou a questão dos prazos. Também por causa disso, a Prefeitura de BH pode nos pedir pra remodelar a capacidade para os eventos”, contou Muzzi.

“Muitas obras viárias devem ficar prontas entre 2023 e 2024, até porque ainda não temos todo o recurso financeiro”, disse.

Orçamento

Em relação ao orçamento total da Arena MRV, do primeiro tijolo à inauguração, Muzzi relatou que a quantia deve girar em torno de R$ 1 bilhão. “Praticamente todos os recursos já foram captados. Ainda falta uma boa arrecadação do BH Festival, em função das indefinições com artista internacional e time estrangeiro para o jogo de estreia”.

Sobre a venda do restante do Diamond Mall, Bruno Muzzi confirmou que a quantia de R$ 170 milhões (cerca de 24,95%) já foi comprada pela Multiplan. “Já recebemos propostas sobre a segunda metade que resta, mas ainda estamos avaliando”.

Bruno falou sobre o orçamento da obra (Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

SAF do Atlético e salários

A criação da SAF do clube alvinegro também foi assunto da conversa de Bruno Muzzi com a imprensa. “Já temos conversas avançadas com um investidor. Estamos avaliando possíveis outros candidatos. Sobre especulações, estamos tranquilos porque somos muito bem assessorados”.

Na manhã de hoje (26), uma faixa contrária à possível venda da SAF para o empresário Peter Grieve foi vista em frente à sede do clube no Lourdes. “Críticas sempre vão existir. A proposta do Grupo City, será que era o perfil que queríamos, de não ter um protagonismo, talvez? Existem muitas variáveis”, apresentou.

“Ainda não foi definido se a Arena e o CT vão entrar na SAF. O nosso papel é levar pro Conselho, ele quem decide”. Quando perguntado se a Arena MRV entraria como propriedade ou exploração, Muzzi respondeu: “Exploração é um caminho sem volta. Bilheteria, patrocínio, receitas e despesas vão entrar. No primeiro semestre, já queremos estar com tudo resolvido: Arena, SAF, Liga Brasileira e venda do Diamond”, planejou.

Sobre os salários atrasados no elenco alvinegro, Muzzi relatou que os direitos de imagem já foram pagos. “Na verdade, estamos só com o 13º atrasado. Minha expectativa é que até o final do mês ou início de fevereiro, a gente coloque a casa em ordem, deixar tudo organizado”, concluiu.

Arena MRV terá setor sem cadeiras, para quase 3 mil pessoas(Beatriz Kalil Othero/BHAZ)

Beatriz Kalil Othero

Jornalista formada pela UFMG, escreve para o BHAZ desde 2020, e atualmente, é redatora e fotógrafa do Portal. Participou de reportagens premiadas pela CDL/BH em 2021 e 2022, e pela Rede de Rádios Universitárias do Brasil em 2020.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ