Copa do Brasil: Cruzeiro começa bem, mas sofre ‘apagão’ e acaba eliminado pelo Fluminense

cruzeiro fluminense futebol
As duas equipes jogaram diante de um Mineirão lotado (Staff Images/Cruzeiro)

O Cruzeiro iniciou bem o jogo de volta das oitavas da Copa do Brasil contra o Fluminense, mas diminuiu muito de produção no 2T e não se encontrou mais em campo. A derrota por 3 a 0 ocorreu nesta noite de terça-feira (12) diante de 58.844 pessoas no Mineirão, em Belo Horizonte. Esse foi o recorde de público do estádio no ano, superando a marca atingida pela Raposa na partida contra o Sampaio Corrêa.

Agora, o clube volta a focar no maior objetivo da temporada: o acesso para a Série A. O próximo duelo do time de Pezzolano é contra o Novorizontino neste domingo (17), no mesmo estádio.

Salva, Rafael

Quando Fábio entrou em campo para o aquecimento, foi possível ouvir gritos de apoio ao ex-goleiro celeste. Mas logo no começo do jogo, a torcida do Cruzeiro já “pegava no pé” do jogador quando ele tocava na bola.

No minuto 1, a primeira boa chance do jogo foi do Fluminense. Caio Paulista chutou e Rafael Cabral espalmou. Na volta, André chutou em cima de Willian Oliveira, que precisou ser substituído após a pancada. Aos 11, o tricolor tentou de novo com Matheus Martins após o passe de Ganso, e Cabral interferiu de novo.

Cruzeiro cresce

A equipe mineira respondeu aos 16 com o chute de Edu dentro da área, que Fábio fez grande defesa – porém, o lance estava impedido. Vitor Leque recebeu ótimo cruzamento de Leo Pais aos 24, mas cabeceou em cima do goleiro tricolor. A Raposa também marcava com proximidade, tentando neutralizar as jogadas do Flu.

Pezzolano fora

Quando o 1T caminhava para o final, aos 42, o Cruzeiro perdeu seu técnico que estava à beira do campo. Após o árbitro não marcar falta por mão de Manoel, Pezzolano ficou inconformado e recebeu o amarelo. Depois, ele continuou reclamando e levou mais um, sendo expulso de campo. A torcida presente no Mineirão ficou na bronca com a arbitragem e gritou o nome do treinador para apoiar o uruguaio.

Nos acréscimos, aos 47, a bola foi lançada na área e Luvannor alegou ter sido derubado. Porém, o árbitro nada marcou, tampouco foi chamado ao VAR para verificar o lance.

Na volta para o 2T, o Cruzeiro chegou com perigo aos 4 com o chute cruzado de Bidu, mas a bola passou perto da trave de Fábio. A equipe celeste continuou tentando ataques, criava boas chances, porém, esbarrava nos impedimentos. O Flu respondeu bem aos 24 com o chute de Samuel Xavier e a bola passou perto.

Flu amplia vantagem

Até que na marca dos 26, mesmo com menos chances no jogo, o tricolor não desperdiçou a boa chance que teve. Cano tocou para John Arias, que mandou de cobertura para as redes.

Por pouco, não veio o empate estrelado aos 27, quando Luvannor cruzou bem e Waguininho deu um carrinho na área, mas Fábio agarrou.

Mais um

Quando a partida caminhava para o final, o Fluminense ficou ainda mais confortável na vantagem. Em jogada de contra-ataque, Martinelli cruzou para Cano, que chutou de primeira para as redes: 2 a 0 e 4 a 1 no agregado. A torcida celeste no estádio continuou cantando para apoiar o time, e nas redes sociais, reclamou da arbitragem.

No último minuto, ainda deu tempo do tricolor fazer mais um, com o chute de Nathan de dentro da área: 3 a 0 no Mineirão e time carioca classificado para as quartas de final da Copa do Brasil.

Edição: Roberth Costa
Beatriz Kalil Otherobeatriz.othero@bhaz.com.br

Graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre esportes para o BHAZ. Participou de reportagens premiadas pela CDL/BH em 2021 e 2022. Também produziu reportagens premiadas pela Rede de Rádios Universitárias do Brasil em 2020.

Comentários