Justiça dos EUA determina que escola deve manter punição contra aluno que usa dreads

darryl george jovem negro escola dreads
Jovem negro está sendo punido por escola pública por usar dreads (Reprodução/Redes Sociais)

Uma escola do Texas tem punido um jovem negro há meses por causa dos dreads no cabelo dele. A família do estudante entrou com uma ação federal contra o colégio Barbers Hill, porém, nessa quinta-feira (22), a Justiça determinou que a instituição de ensino pode continuar com a punição.

Segundo o The Texas Tribune, a escola puniu Darryl George, de 18 anos, por usar o cabelo no estilo dreadlocks. A punição consiste em uma mistura de suspensão na escola ou aulas em um campus de educação alternativa. Além disso, o adolescente não estaria tendo acesso a materiais didáticos.

Na ação movida contra o colégio, Darryl disse que a punição de meses o rebaixou e impediu sua educação. “Estou sendo assediado pelos funcionários da escola e tratado como um cachorro”, afirmou o aluno.

“Estou sendo submetido a um tratamento cruel e a muitas palavras indelicadas de muitos adultos da escola, incluindo professores, diretores e administradores”, acrescentou.

Escola acusa aluno de violar regras por dinheiro

Os funcionários da escola, por sua vez, não cederam ao uso dos dreads por parte do estudante e acusam Darryl e sua mãe de violarem intencionalmente as regras do colégio para obterem benefícios financeiros no tribunal.

O código de vestimenta do colégio diz que o cabelo dos alunos do sexo masculino não pode ultrapassar as sobrancelhas, os lóbulos das orelhas ou a parte superior da gola da camiseta. Além disso, não pode “ser preso ou usado em um estilo” que permita que o cabelo caia nesses comprimentos “quando solto”.

Na ação movida contra a instituição, a mãe do estudante, Darresha George, argumenta que a escola está violando a lei federal de direitos civis e a Lei Crown. Tal lei foi aprovada no Texas em setembro de 2023, e significa “Criando um Mundo Respeitoso e Aberto para Cabelos Naturais”.

A legislação proíbe e discriminação com base na textura do cabelo ou penteados protetores associados à raça. Nessa quinta-feira, o juiz Chap B. Cain III decidiu que a política de código de vestimenta da escola não viola a Lei Crown do Texas.

Nos documentos da ação judicial, o estudante disse que considera seu cabelo como uma expressão de orgulho cultural. Os legisladores que redigiram a Lei Crown disseram que a determinação estatal protege o penteado do jovem porque proíbe os colégios de punir estudantes que usem seus cabelos em estilos específicos.

“Esses estilos são protegidos independentemente de como o estilo é usado”, disse a deputada estadual Rhetta Bowers, D-Garland, autora do projeto de lei. “Quando as pessoas em nossa cultura prendem o cabelo, elas o prendem para crescer”, acrescentou.

Edição: Lucas Negrisoli
Andreza Miranda[email protected]

Graduada em Jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2020. Participou de duas reportagens premiadas pela CDL/BH (2021 e 2022); de reportagem do projeto MonitorA, vencedor do Prêmio Cláudio Weber Abramo (2021); e de duas reportagens premiadas pelo Sebrae Minas (2021 e 2023).

SIGA O BHAZ NO INSTAGRAM!

O BHAZ está com uma conta nova no Instagram.

Vem seguir a gente e saber tudo o que rola em BH!