Deputada Sâmia Bomfim presta queixa após receber ameaça de morte e estupro

Sâmia Bomfim
Deputada defendeu que a violência de gênero não pode ser naturalizada (Elaine Menke/Câmara do Deputados)

A deputada federal Sâmia Bomfim (SP), líder do PSOL na Câmara, é mais uma na lista de mulheres políticas que vêm recebendo ameaças. Ela foi ameaçada de estupro e de morte por meio de um e-mail, recebido na última quinta-feira (28).

Por meio das redes sociais, a deputada compartilhou um trecho da mensagem recebida, em que foi chamada de “vagabunda”, “parasita” e “vadia”. “Acha que vai continuar exercendo este cargo de deputada federal até 2023?”, diz o e-mail, finalizado com uma alusão ao nazismo.

“Conversei com minha equipe e decidi fazer um boletim de ocorrência no dia seguinte. Cheguei a pensar em não divulgar. Mas refleti que, mesmo não sendo a primeira ameaça, foi a mais grave e perversa”, desabafou Sâmia Bomfim.

A parlamentar também apontou uma semelhança com as ameaças sofridas pela vereadora Duda Salabert (PDT), de Belo Horizonte, e pela ex-deputada federal Manuela D´Ávila (PCdoB), também pela internet (relembre abaixo).

“Estou bem, tranquila e convicta de que o autor desse ataque deseja me ver paralisada e rendida. Não darei jamais esse prazer nem a ele nem a todos aqueles que me atacam diariamente. Me apoio na imensa maioria de pessoas que tenho a responsabilidade de representar na política”, completou a deputada.

Ela defendeu que a violência de gênero não pode ser naturalizada, além de agradecer o apoio recebido. “Seguirei firme, não abaixarei a cabeça e convido todas as mulheres a se levantarem contra o machismo estrutural que busca nos impedir de avançar. Estejam certos: não recuaremos um milímetro sequer”, finalizou.

O BHAZ procurou a Polícia Civil para confirmar se um inquérito foi instaurado para investigar o caso e aguarda retorno.

Mulheres ameaçadas

Além de Sâmia Bomfim, Duda Salabert e Manuela D’Ávila também usaram as redes sociais para denunciar ameaças recebidas pela internet nos últimos dias. Nos dois casos, as mensagens também incluíam ataques às famílias das mulheres.

A vereadora de BH voltou a receber ameaças de morte enviadas por um grupo que se identifica como neonazista. Duda formalizou a denúncia junto à Polícia Civil na segunda-feira (1°).

“Perder seu emprego foi só o começo, na próxima vez você vai perder sua vida”, diz a mensagem, assinada por “William Maza dos Santos”, que já ameaçou uma jornalista de estupro. O e-mail também conta com o número “14/88”, uma alusão moderna a Adolf Hitler.

Ao BHAZ, a parlamentar disse acreditar que o grupo que fez a nova ameaça é o mesmo que, em 2020, prometeu fazer “um mar de sangue” no colégio Bernoulli, onde ela dava aula (relembre aqui). Ela foi demitida da escola dois meses depois.

Já Manuela D’Ávila compartilhou nas redes sociais uma mensagem recebida pelo Instagram, em que era ameaçada de estupro e de morte. O agressor ainda ameaçou a filha da ex-deputada, de 6 anos.

“Ser mulher pública é conviver com a ameaça de estupro como correção pela coragem, com a ameaça de morte como silenciador. Ser mulher pública é ouvir de muitos que não aguentariam nem metade que tá tudo bem, que é assim mesmo”, lamentou.

Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários